Seja bem vindo ao Arte e Artistas! Estamos em: 20/05/2024

Biografia de Canaletto

Canaletto foi um famoso pintor e gravador do século XVIII, mestre da paisagem urbana e diretor da escola veneziana. Suas imagens atmosféricas de Veneza e Londres influenciaram todas as gerações subsequentes de paisagistas.

Giovanni Antonio Canal nasceu na cidade de Veneza, Itália, em 28 de outubro de 1697. Filho do pintor Bernardo Canal, por isso ficou conhecido como Canaletto, que significa  “pequeno Canal”.  Começou na profissão de seu pai, a de pintor de cena teatral.

Bernardo Canal era um respeitado pintor de cenas teatrais e, como esperado, Canaletto e seu irmão mais velho, Christoforo, juntaram-se ao pai como aprendizes. Já tendo ajudado a projetar e criar cenários para óperas de Antonio Vivaldie outros compositores da época.

Em 1718, viajou com seu pai para Roma para trabalhar na cenografia de uma série de óperas de Alessandro Scarlatti. Foi um ponto de viragem na vida de Canaletto, pois foi nesta excursão que ele tomou a decisão de abandonar totalmente a concepção teatral.

BIOGRAFIA 

Em 1719, regressou a Veneza  Canaletto, e começo a estudar com um pintor de paisagens urbanas, Luca Carlevaris. Logo superando o modesto talento de seu mestre, ele produziu sua primeira obra assinada conhecida, um Capriccio Arquitetônico.

Capricho Arquitetônico. Canaletto. 1723

Suas primeiras eram frequentemente pintadas em ambientes naturais, quando a convenção da época determinava que as pinturas fossem concluídas em estúdio. É verdade que alguns dos detalhes das suas pinturas foram acrescentados, a sua tendência para incluir figuras distantes representadas como manchas de cor. Suas pinturas tornaram-se admiradas pela sua precisão quase científica e assim, ele tornou-se conhecido como um mestre vedutista  (paisagista) por direito próprio. À medida que a sua reputação começou a crescer, Canaletto chamou a atenção de três agentes influentes que ajudaram a promover e desenvolver o seu talento artístico em toda a Europa.

Durante a década de 1730, outro agente, Anton Maria Zanetti, o Jovem – que disse de Canaletto que ele era “um pintor de pontos de vista tão distinto que poucos entre os artistas anteriores, e nenhum entre os favoritos, chegam perto dele em inteligência, gosto e verdade”

Muito antes de existirem cartões postais ou fotografias, a habilidade de Canaletto em capturar a sensação e a imagem de Veneza trouxe-lhe popularidade entre os turistas, muitos dos quais compraram suas pinturas como lembranças de suas viagens. Ele já havia praticamente aperfeiçoado essa habilidade usando uma câmera obscura para preparar suas pinturas e águas-fortes. A câmera obscura, na qual uma caixa permitia que a luz fosse admitida através de um minúsculo orifício em um espelho angular, criava uma imagem refletida exata em uma superfície a partir da qual se podia traçar. Segundo o historiador Roberto Longhi, o uso desse dispositivo fez com que quase “milagrosamente, sua arte se tornasse poesia”.

A carreira de Canaletto, entretanto, gerou polêmica. Ele treinou seu sobrinho, Bernardo Bellotto, que se tornaria assistente de seu tio por muitos anos antes de se tornar artista por direito próprio. Em 1742, os dois viajaram juntos para Dolo e Pádua, onde se inspiraram na natureza para futuras pinturas. No entanto, a influência do tio foi tão grande, que às vezes era difícil diferenciar o trabalho dos dois artistas. Depois que Bellotto começou a agir por conta própria, ele tentou capitalizar e lucrar com o nome de seu tio, muitas vezes dando a falsa impressão de que ele era na verdade Canaletto. Bellotto até colocou o nome de seu grande mentor em sua própria arte e teve particularmente sucesso nisso em países como Polônia e Alemanha, onde seu tio não atuava.

Em 1746, ele chegou em Londres onde havia uma nova arquitetura eclética surgindo. Culturalmente a Grã-Bretanha estava redescobrindo e se apaixonando por William Shakespeare, então um Canaletto observador, percebeu quão vibrante e excitante a Grã-Bretanha era e virtualmente tudo o que ele pintou era novo ou prestes a ser novo.

Canaletto passaria os próximos nove anos na Grã-Bretanha. Neste período, retornou a  Veneza em 1750 para resolver alguns assuntos comerciais. Infelizmente, a controvérsia em torno da autenticidade de suas pinturas o seguiu e começaram a circular rumores de que as pinturas vendidas em seu nome poderiam não ser autênticas. Para refutar as alegações, Canaletto publicou dois convites  em um jornal londrino para que o público se juntasse a ele em seu estúdio, onde pudessem testemunhar por si mesmos que ele estava vivendo e trabalhando na Inglaterra e criando obras genuínas.

Em 1755, regressou definitivamente a Veneza. Em 1763, foi eleito membro da Academia Veneziana de Pintura e Escultura e nomeado prior do Colégio de Pintura.

Orgulhoso de ter podido continuar a pintar nos últimos anos de sua vida, produziu mais de 1000 obras, entre pinturas e desenhos. Mesmo assim, Canaletto sofreu financeiramente nos seus últimos anos, passando o fim da sua vida quase na pobreza.

Canaletto  morreu aos 71 anos de uma inflamação na bexiga em 19 de abril de 1768 em sua terra natal, Veneza, sobre cujas magníficas festividades, magníficos canais e amplas praças inundadas de luz, ele escreveu sobre toda a sua vida. As coleções mais completas de pinturas e desenhos, são encontradas nas coleções da Reaeleza Britânica em Windsor, no Palácio de Buckingham e  nos principais museus do mundo.

O ARTISTA E SUA OBRA

Em seu trabalho, Canaletto combinou a liberdade e a sutileza do desenho com uma dramática interpretação figurativa da arquitetura veneziana.

Com um olhar para o equilíbrio composicional e uma sensibilidade para os efeitos dramáticos, Canaletto normalmente compunha imagens de marcos reconhecíveis que ele reorganizava em novas relações sutis. Suas imagens também poderiam ser compostas, em parte, por elementos arquitetônicos e cênicos imaginários.

Como herdeiro do legado dos grandes mestres da Renascença, Canaletto era admirado pela sua mistura sutil de luz solar, sombra e efeitos de nuvens, e pelo seu jogo de luz nas estruturas arquitetônicas. Muito de seu trabalho de preparação foi realizado observando o local, e não no estúdio, o que era incomum para a época.

Os detalhes finos nas representações de suas pinturas, são atribuídos ao uso de uma câmera obscura, que lhe permitiu criar plantas rastreáveis ​​​​sobre as quais construir estruturas arquitetônica suas topografias finamente detalhadas.

Chelsea do Tâmisa em Battersea Reach Londres. Canaletto. 1751
Celebração noturna fora da Igreja de San Pietro. Canaletto. 1755
O Grande Canal Veneza. Canaletto. 1723
A Regata Feminina do Grande Canal. Canaletto. 1766

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”
Ir ao Topo