Biografia de Ludwig van Beethoven

Beethoven foi um importante compositor alemão, amplamente considerado um dos maiores gênios musicais de todos os tempos, que viveu em um período de transição entre as eras Clássica e Romântica da música ocidental. Escreveu algumas das músicas mais estimulantes física e espiritualmente que existem, lançando um desafio ao futuro que ainda é sentido sempre que um compositor se propõe a escrever uma nova sonata, quarteto ou sinfonia. Até mesmo seu nome adquiriu uma estatura monumental em nossa cultura. A vida pessoal de Beethoven foi marcada pela luta contra a surdez, e algumas de suas obras mais importantes foram compostas durante os últimos dez anos de sua vida, quando ele era incapaz de ouvir.

BIOGRAFIA

Ludwig van Beethoven nasceu no dia 17 de dezembro de 1770, na cidade de Bonn (Colônia),  Alemanha. Era o filho mais velho de Johann e Maria Magdalena van Beethoven. A família era de origem flamenga. Foi seu avô quem primeiro se estabeleceu em Bonn quando se tornou cantor no coro do arcebispo de Colônia. Seu pai Johann também era cantor no coro da igreja,  assim, como a maioria dos músicos do século XVIII,  Ludwig nasceu na profissão.

Tendo observado em seu filho mais velho os sinais de um talento para o piano, Johann tentou fazer de Ludwig uma criança prodígio como o famoso músico austríaco Wolfgang Amadeus Mozart, exigindo esforços sobre humanos, com castigos severos para uma criança .

Retrato de Beethoven aos 13 anos. Autor desconhecido. c 1783 - Localização: Museu Kunsthistorisches, Viena (Austria)
Retrato de Beethoven aos 13 anos. Autor desconhecido. c 1783 – Localização: Museu Kunsthistorisches, Viena (Austria)

Embora a princípio bastante próspera, a família Beethoven tornou-se cada vez mais pobre com a morte de seu avô em 1773 e o declínio de seu pai no alcoolismo. Na adolescência, Ludwig assumiu o cargo de provedor e chefe da família. Felizmente, o talento da criança era grande o suficiente para os professores e membros do círculo da corte intervirem. Foram eles que o colocaram em uma carreira mais segura.

Em 1780,  durante um período de renovação política em Bonn, um sinal dos novos tempos, foi a nomeação de Christian Gottlob Neefe, como organista do tribunal, era um protestante da Saxônia, que se tornou o professor de Beethoven. Embora um tanto limitado como músico, Neefe era um homem de altos ideais e ampla cultura,  compositor de canções e peças teatrais leves.

Em junho de 1782, Beethoven tornou-se assistente de Neefe como organista da corte, foi por meio dele que Beethoven, em 1783, teria sua primeira composição conhecida como ‘Nove variações em uma marcha de Dressler que foi publicada em Mannheim.

Em um esforço para facilitar seu desenvolvimento musical, em 1787 a corte enviou Beethoven para Viena, a capital europeia da cultura e da música, onde esperava estudar com Mozart. Existem apenas especulações e evidências inconclusivas de que Beethoven alguma vez se encontrou com Mozart, quanto mais estudou com ele.

A tradição diz que, ao ouvir Beethoven, Mozart disse: “Mantenha os olhos nele; um dia ele dará ao mundo algo para falar.”

Depois de apenas algumas semanas em Viena, Beethoven soube que sua mãe adoecera e ele voltou para casa em Bonn. Permanecendo lá, ele continuou a esculpir sua reputação como o jovem músico da corte mais promissor da cidade.

Em 1790, Beethoven recebeu com imensa honra, uma encomenda para compor um memorial musical em homenagem ao Imperador Romano José II que falecera no mesmo ano. Por razões que permanecem obscuras, a composição de Beethoven nunca foi apresentada, e a maioria presumiu que o jovem músico havia se mostrado incapaz para a tarefa. No entanto, mais de um século depois, Johannes Brahms descobriu que Beethoven havia de fato composto uma “bela e nobre” peça musical intitulada Cantata sobre a morte do imperador José II . É agora considerada sua primeira obra prima.

Em 1792, com as forças revolucionárias francesas varrendo a Renânia para o eleitorado de Colônia, Beethoven decidiu mais uma vez, deixar sua cidade natal por Viena. Mozart havia falecido um ano antes, deixando Joseph Haydn como o maior compositor vivo inquestionável.

Haydn morava em Viena na época e era com ele que o jovem Beethoven pretendia estudar. Como seu amigo e patrono, o Conde Waldstein escreveu em uma carta de despedida, “o gênio de Mozart lamenta e chora pela morte de seu discípulo. Ele encontrou refúgio, mas não se livrou do inesgotável Haydn. Por meio dele, agora, busca se unir a outro. Por meio de trabalho assíduo, você receberá o espírito de Mozart das mãos de Haydn. “

Em Viena, Beethoven se dedicou de todo o coração ao estudo musical com os músicos mais eminentes da época. Estudou piano com Haydn, composição vocal com Antonio Salieri e contraponto com Johann Albrechtsberger. Ainda sem ser conhecido como compositor, Beethoven rapidamente estabeleceu uma reputação de pianista virtuoso, especialmente adepto da improvisação.

Em 1794, Beethoven ganhou muitos patronos entre os principais cidadãos da aristocracia vienense, que lhe forneceram hospedagem e fundos, lhe permitindo romper laços com o eleitorado de Colônia. Beethoven fez sua tão esperada estreia pública em Viena no dia 29 de março de 1795.

Retrato de Beethoven por Willibrord Joseph Mähler. 1804
Retrato de Beethoven por Willibrord Joseph Mähler. 1804

Embora haja um debate considerável sobre qual de seus primeiros concertos para piano ele executou naquela noite, a maioria dos estudiosos acredita que ele tocou o que é conhecido como seu “primeiro” concerto para piano em dó maior. Pouco tempo depois,  decidiu publicar uma série de três trios de piano como seu Opus 1, que foram um enorme sucesso crítico e financeiro.

Em 1800, Beethoven estreou sua Sinfonia nº 1 em Dó maior no Royal Imperial Theatre de Viena. Embora Beethoven passasse a detestar a peça – “Naqueles dias eu não sabia compor”, ele comentou mais tarde -, a sinfonia graciosa e melodiosa, no entanto, o estabeleceu como um dos compositores mais famosos da Europa.

Nesse período, Beethoven compôs peça após peça que o marcou como um compositor magistral atingindo sua maturidade musical. Seus Seis Quartetos de Cordas, publicados em 1801, demonstram o domínio completo da mais difícil e estimada das formas vienenses desenvolvida por Mozart e Haydn.

Em 1801, Beethoven também compôs As Criaturas de Prometeu, um balé muito popular que recebeu 27 apresentações no Imperial Court Theatre. Foi mais ou menos na mesma época que ele descobriu que estava perdendo a audição.

Na virada do século XIX, Beethoven lutou para entender as palavras ditas a ele em uma conversa. Revelou em uma carta comovente de 1801 a seu amigo Franz Wegeler: “Devo confessar que levo uma vida miserável. Por quase dois anos, parei de frequentar eventos sociais, só porque acho impossível dizer às pessoas: Sou surdo. Se tivesse qualquer outra profissão, poderia ser capaz de lidar com a minha enfermidade, porém sendo em minha profissão, é uma deficiência terrível. “

De 1803 a 1812, o que é conhecido como seu período heroico, ele compôs uma ópera, seis sinfonias, quatro concertos solo, cinco quartetos de cordas, sonatas de seis cordas, sete sonatas para piano, cinco conjuntos de variações para piano, quatro aberturas, quatro trios, dois sextetos e 72 canções. As mais famosas entre elas foram a assombrosa Sonata ao Luar, as sinfonias nº 3-8, a sonata para violino Kreutzer e Fidelio , sua única ópera.

Retrato de Beethoven por Joseph Karl Stieler. 1820
Retrato de Beethoven por Joseph Karl Stieler. 1820

Apesar de sua extraordinária produção de belas músicas, Beethoven foi solitário e frequentemente miserável durante sua vida adulta. De temperamento explosivo, distraído, ganancioso e desconfiado ao ponto da paranoia, rivalizava com seus irmãos, editores, governantas, alunos e patronos.

Por uma variedade de razões, incluindo sua timidez, Beethoven nunca se casou ou teve filhos. Ele estava, no entanto, desesperadamente apaixonado por uma mulher casada chamada Antonie Brentano. Durante dois dias, em julho de 1812, Beethoven escreveu-lhe uma longa e bela carta de amor que nunca enviou. Dirigida “A você, minha Amada Imortal”, a carta dizia em parte: “Meu coração está cheio de tantas coisas para dizer a você – ah – há momentos em que sinto que a palavra não vale nada – Anime-se – permaneça meu verdadeiro, meu único amor, meu tudo como sou seu. “

Ao mesmo tempo em que estava compondo algumas de suas obras mais importantes, ele lutava para aceitar um fato chocante e terrível, que tentava desesperadamente ocultar de estar ficando surdo. Quase milagrosamente, apesar de sua surdez em rápido progresso, Beethoven continuou a compor em um ritmo furioso. Em termos de produção surpreendente de música superlativamente complexa, original e bela, este período de sua vida  é incomparável a de qualquer outro compositor na história.

Morte e Legado

Beethoven faleceu em 26 de março de 1827, aos 56 anos, de cirrose hepática. A autópsia também forneceu pistas sobre as origens de sua surdez, embora seu temperamento explosivo, diarreia crônica e surdez sejam consistentes com doença arterial, uma teoria concorrente relaciona sua surdez ao tifo contraído no verão de 1796.

Beethoven é considerado um dos maiores, senão o maior compositor de todos os tempos. O corpo de suas composições musicais, são comparadas com as peças de William Shakespeare, está no limite do brilho humano.

Resumindo sua vida e morte iminente durante seus últimos dias, Beethoven, que nunca foi tão eloquente com as palavras como era com a música, pegou emprestado um slogan que concluía muitas peças em latim na época. Plaudite, amici, comoedia finita est , que significa: Aplauda amigos, a comédia acabou.

Beethoven perdido em pensamentos, sentado nu entre anjos e com uma águia a seus pés: esta é a imagem criada pelo artista Max Klinger, em 1902 - Localização: Museu de Belas Artes de Leipzig (Alemanha)
Beethoven perdido em pensamentos, sentado nu entre anjos e com uma águia a seus pés: esta é a imagem criada pelo artista Max Klinger, em 1902 – Localização: Museu de Belas Artes de Leipzig (Alemanha)

ALGUMAS DAS COMPOSIÇÕES MAIS CONHECIDAS DE BEETHOVEM INCLUEM:

Sinfonia No. 3 – Em 1804, poucas semanas depois de Napoleão Bonaparte se autoproclamar imperador da França, Beethoven estreou sua Sinfonia nº 3 em homenagem a Napoleão. Assim como toda a Europa assistia com uma mistura de admiração e terror, ele admirava, abominava e, até certo ponto, identificava-se com Napoleão, um homem de capacidades aparentemente sobre-humanas, apenas um ano mais velho que ele. Mais tarde rebatizado de Sinfonia Eroica porque Beethoven ficou desiludido com Napoleão, foi sua obra mais grandiosa e original até hoje. Por ser tão diferente de tudo que havia sido ouvido antes, os músicos não conseguiram descobrir como tocá-lo durante semanas de ensaio. Um crítico proeminente proclamou “Eroica” como “um dos produtos mais originais, mais sublimes e mais profundos que todo o gênero musical já exibiu.

 Sinfonia No. 5 – Beethoven começou a compor a peça em 1804, mas sua conclusão foi atrasada algumas vezes para outros projetos. Uma de suas obras mais conhecidas entre o público moderno, ela é conhecida por suas primeiras quatro notas sinistras.  Estreou ao mesmo tempo que a Sinfonia nº 6, em 1808 em Viena.

Fur Elise – Em 1810, Beethoven a concluiu (que significa “Para Elise”), embora não tenha sido publicado até 40 anos após sua morte. Em 1867, no entanto, foi descoberto por um estudioso de música alemão, o manuscrito original que havia sido perdido. Alguns estudiosos sugeriram que fosse dedicado a sua amiga, aluna e colega musicista, Therese Malfatti. Outros disseram que era para a soprano alemã Elisabeth Rockel, outra amiga de Beethoven.

Sinfonia nº 7 – Estreando em Viena em 1813 para beneficiar soldados feridos na batalha de Hanau, Beethoven começou a compor, uma de suas obras mais enérgicas e otimistas. O compositor chamou a peça de “sua sinfonia mais excelente”. O segundo movimento é frequentemente executado separadamente do resto da sinfonia e pode ter sido uma de suas obras mais populares.

Sinfonia nº 9 – Ode à alegria: A nona e última sinfonia de Beethoven, concluída em 1824, continua a ser a realização mais impressionante do ilustre compositor. O famoso final do coral da sinfonia, com quatro solistas vocais e um coro cantando as palavras do poema “Ode à Alegria” de Friedrich Schiller, é talvez a peça musical mais famosa da história. Enquanto os conhecedores se deliciavam com a complexidade contrapontística e formal da sinfonia, outros encontraram inspiração no vigor de hino do final do coral e na invocação final de “toda a humanidade”.

 

por Roseli Paulino – @arteeartistas

 

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”