Antoni Gaudí: Biografia e Obra

Conhecer Antoni Gaudí é adentrar em um mundo de arquitetura singular, onde formas orgânicas se mesclam com espiritualidade e inovação. O arquiteto catalão, nascido em 1852, deixou um legado impressionante que continua a encantar e inspirar até os dias de hoje. Sua obra-prima, a Sagrada Família, é apenas um exemplo do seu gênio criativo e de sua visão única, que revolucionou a arquitetura moderna. Neste texto, exploraremos a vida fascinante de Gaudí e suas obras mais emblemáticas, mergulhando no universo extraordinário deste mestre do modernismo catalão.

Antoni Gaudí foi um importante arquiteto catalão que se tornou reconhecido internacionalmente como um dos mais prodigiosos em sua especialidade, bem como um dos maiores expoentes do modernismo. Seu excepcional gênio inovador fez dele o inventor de uma linguagem arquitetônica única, pessoal e incomparável.

Antoni Gaudí: Biografia e Obra

Antoni Gaudí y Cornet nasceu no dia 25 de junho de 1852 em Reus, uma comunidade autônoma da Catalunha, região localizada na Espanha. Ele veio de uma família de caldeireiros, fato que permitiu ao jovem Gaudí  adquirir uma habilidade especial para trabalhar com espaço e volume ao ajudar seu pai e seu avô na oficina da família. Seu talento para projetar espaços e transformar materiais cresceu e prosperou até que finalmente se metamorfoseou em um verdadeiro gênio para a criação tridimensional.

Quando criança, a saúde de Gaudí era delicada, o que significava que ele era obrigado a passar longos períodos de tempo descansando na casa de verão em Riudoms. Lá, ele passou muitas horas contemplando e armazenando em sua mente os segredos da natureza, que ele considerava sua amante suprema e professora do mais alto conhecimento, sendo a maior conquista do Criador.

Como tal,  Antoni Gaudí  encontrou a essência e o significado da arquitetura seguindo os próprios padrões da natureza e sempre respeitando suas leis. Ele não copiou, mas traçou seu curso através de um processo de cooperação, e nesse contexto ele criou o trabalho mais bonito, sustentável e eficaz possível através de sua arquitetura. O próprio Gaudí disse certa vez:

“A originalidade consiste em voltar às origens”.

Em 1870, mudou-se para Barcelona  para seguir sua carreira acadêmica em arquitetura, ao mesmo tempo em que trabalhava em vários empregos para poder pagar seus estudos. Ele era um estudante inconsistente, mas já mostrava alguma evidência de brilhantismo que abriu portas para ele, permitindo-lhe colaborar com alguns de seus professores.

Quando completou seus estudos na Escola de Arquitetura em 1878, o diretor Elies Rogent declarou:

 “Não sei se concedemos esse diploma a um louco ou a um gênio; só o tempo dirá. ”

Inegavelmente, no entanto, as idéias do jovem arquiteto não eram uma mera repetição de coisas que já haviam sido feitas até aquele momento, e ninguém poderia recebê-las com indiferença.

As primeiras obras de Gaudí, realizadas durante a sua formação e no período imediatamente posterior, destacam-se já pela precisão dos detalhes, pelo uso da geometria e pela prevalência de considerações mecânicas no cálculo estrutural.
Durante a formação universitária, Gaudí foi autor de vários projetos, entre os quais um pavilhão universitário de 1877.

Logo após se formar na Escola Provincial de Arquitetura de Barcelona, em 1878, Gaudí projetava de acordo com o estilo Vitoriano misturado com o estilo Mourisco ou Mudéjar – uma união da arte muçulmana com a cristã, muito comum na Espanha. Trata-se de superfícies animadas com pedra ou tijolo modelado, painéis cerâmicos e estruturas de metal com motivos florais ou de répteis como podemos observar nessa construção feita no Parque Güell:

A partir de 1902, os projetos de Gaudí deixam de ser atribuídos a um estilo arquitetônico convencional e ganham sua marca original, chamada de Arquitetura Equilibrada – uma estrutura projetada para se apoiar a si própria, sem suportes internos ou externos, como afirmava o arquiteto: exatamente como uma árvore se ergue.

Durante seu período de maior produção, obras-primas seguiam-se uma após a outra, exemplos: a Torre Bellesguard, o Parque Güell, a restauração da Catedral em Palma de Maiorca, a Igreja Colònia Güell, a Casa Batlló, Casa Milà (La Pedrera) e por último, o Templo Expiatório da Sagrada Família.

Surpreendentemente, a magnificência da arquitetura de Antoni Gaudí coincidiu, como resultado de uma decisão pessoal do arquiteto, com uma retirada progressiva do próprio homem. Gaudí, que em sua juventude frequentou teatros, concertos e exposições de arte, passou de um jovem elegante de gosto refinado,  a negligenciar sua aparência pessoal, comendo frugalmente e distanciando-se da vida social, ao mesmo tempo em que se dedicava cada vez mais fervorosamente a um sentimento religioso e místico.

Gaudí faleceu tragicamente no dia 10 de junho de 1926, depois de ser atropelado por um bonde enquanto fazia todas as noites, à  Sagrada Família,  da Igreja de Sant Felip Neri. Depois de ser atingido, perdeu a consciência, e ninguém suspeitou que aquele velho desalinhado que não carregava documentos de identidade fosse o famoso arquiteto. Ele foi levado para o Hospital de Santa Cruz, onde mais tarde foi reconhecido pelo Sacerdote da Sagrada Família. Ele foi enterrado dois dias depois naquela mesma igreja, depois de um funeral com a participação de uma multidão de pessoas: a maioria dos cidadãos de Barcelona saiu para dar um último adeus ao arquiteto mais universal que a cidade já conhecera.

Antoni Gaudí: Biografia e Obra
Velório de Gaudi na Sagrada Família

Gaudí, arquiteto que deu forma à Catalunha com seus mosaicos ultra coloridos, traços inusitados, um tremendo senso estético e, claro, uma pitada de loucura…não importa qual seja a sua obra ou onde ela esteja, todas elas são a prova da existência de um grande mestre, incompreendido na sua época, mas ovacionado pelas gerações futuras e tido como um dos verdadeiros mestres da arquitetura.

Está evidente que Gaudí e sua obra, continuarão a assombrar a imaginação das gerações vindouras, para quem o seu grande arquiteto poderá vir a ser conhecido, oficialmente, como Saint Antoni Gaudí.

 

GAUDÍ E SUA OBRA

Motivo de admiração em todo o mundo, as obras de Antoni Gaudí servem de inspiração e estudo não só aos arquitetos, mas também aos amantes da arte. Mais conhecido pelos trabalhos góticos e pela igreja da Sagrada Família, muitos não sabem que o espanhol passou por vários estilos arquitetônicos antes de desenvolver o seu próprio.

As obras de Gaudí revelam um estilo único e individual e estão em sua maioria na cidade de Barcelona. Ao observar uma obra sua, é possível imaginar que a construção é parte natural do ambiente, em conformidade com as leis naturais que regem o universo.

PRINCIPAIS OBRAS

O edifício  “El Capricho,  é considerado uma de suas primeiras obras. Desde o projeto e o período de construção, Gaudí teve o acompanhamento e a direção do arquiteto Cascante Colom. Está localizado em Comillas, Cantábria (Espanha).

El Capricho (fachada exterior). Antoni Gaudi. 1883-88

O Palácio Güell foi a primeira encomenda feita pelo Conde de Barcelona, Eusebi Güell a Gaudí. Foi construído no período de 1886-1890.  O grandioso e imponente palácio, serviu de residência para a sua família, onde o Conde também pode reunir toda a sua coleção de obras de arte e antiguidades.

Antoni Gaudí: Biografia e Obra
Palácio Güell. Barcelona, Espanha

 O catalão Antoni Gaudí  criou estruturas e edifícios estranhos, audaciosos e belos que deram à cidade de Barcelona uma identidade única. Entre suas obras mais famosas está o Parque Guell. Acima e além de seu relacionamento com o Conde, Eusebi Güell, Gaudí recebeu dele muitas comissões e propôs inúmeros projetos sendo seu grande patrocinador. Muitos destes, felizmente, foram transformados em realidade, mas alguns nunca saíram do papel.

Parque Güell. Entrada Principal. Barcelona, Espanha

“Gaudí une a obra do construtor, que define as estruturas, a do escultor, que modela as massas, e a do pintor, que delimita as superfícies com a cor; além disso, faz convergir para a obra várias especialidades do artesanato:o mosaico, a cerâmica, o ferro batido, etc.”(ARGAN, Giulio Carlo)

Antoni Gaudí: Biografia e Obra
A Casa Vicens. Gaudí. 1878-80
La Casa Batlló. Antoni Gaudí

 

O Palácio de Astorga foi encomendado a Antoni Gaudí, pelo bispo Juan Bautista Grau i Vallespinós, em 1889. Esse foi um dos poucos trabalhos que ele fez fora da Catalunha.

Antoni Gaudí: Biografia e Obra
Palácio Episcopal de Astorga. 1889-1913

 

Os Jardins Artigas é um pequeno paraíso de paz que pertence ao município de Pobla de Lillet, na província de Barcelona, Catalunha. Foi projetado por Antoni Gaudí ao industrial Joan Artigas i Alart como um agradecimento e construído entre 1903 a 1910. Este último abrigou o arquiteto enquanto trabalhava nas proximidades na construção de uma casa de campo para outro industrial, Eusebi Güell, principal patrocinador de Gaudí. Discreto, não facilmente acessível e menos conhecido do que outras obras do artista, os jardins são ideais para o clima quente do verão.

Les Jardins Artigas sont des jardins réalisés à la Pobla de Lillet entre 1905 et 1906 par l’architecte moderniste Antoni Gaudí.
Antoni Gaudí: Biografia e Obra
A Casa Milla ou La Pedrera. 1905-10
“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”

Novidades pelo email

Assine nossa newsletter e receba todas novidades por email