Seja bem vindo ao Arte e Artistas! Estamos em: 21/06/2024

Honoré Daumier

Honoré Daumier  foi um proeminente artista francês do século XIX, conhecido principalmente por suas caricaturas satíricas e obras de arte socialmente engajadas. Ele foi um dos principais artistas da escola realista francesa e é considerado um dos mais importantes caricaturistas políticos da história da arte.

BIOGRAFIA

Domingo. Honoré Daumier. 1822

Honoré-Victorien Daumier nasceu em 26 de fevereiro de 1808 em Marselha, França.  Filho de Jean-Baptiste Louis Daumier e Cecile Catherine Philippe. Em 1814, mudaram  para Paris  e lá passaram a viver, seu pai era um vidraceiro de profissão, aspirava a ser um futuro poeta e, por isso, foi atraído para a capital francesa, onde tinha muito mais hipóteses de ser reconhecido pelas suas capacidades literárias.

Daumier demonstrou talento artístico desde muito jovem. Aos doze anos, por necessidade, começou a trabalhar, primeiro como mensageiro de um escritório de advocacia e depois como assistente de um livreiro.

Em 1822, começou a ter aulas informais de arte com o artista e antiquário Alexandre Lenoir, amigo de seu pai. Muitas vezes ele ia sozinho ao Louvre para fazer esboços nas galerias de esculturas.

Em 1823, começou a estudar na conhecida Académie Suisse, um estúdio de arte dirigido por Charles Suisse, ex-modelo de Jacques-Louis David, que proporcionava aos artistas oportunidades de baixo custo para desenhar modelos vivos. Ao mesmo tempo, Daumier trabalhou com o editor e litógrafo Zepherin Belliard, com quem começou a aprender e fazer experiências com litografia.

Rua Transnonain, 15 de abril de 1834. Honoré Daumier. 1834

Em 1829,  já criava caricaturas em litografia, copiando ainda estilos de outros artistas. Após a Revolução de 1830 na França, a censura foi liberta de grandes perseguições e ele pôde começar a expressar suas opiniões políticas mais abertamente por meio de panfletos ilustrados, que normalmente eram bastante baratos de produzir e fáceis de circular.

Em meados da década de 1830, começou a se destacar no gênero da caricatura política e social. As primeiras duas décadas de sua carreira foram marcadas por sua crescente notoriedade e pelo perigo que ele enfrentou como um crítico frequentemente aberto do autocrata do momento e do cenário político mais amplo.

Santa Madalena no Deserto. Honoré Daumier. 1848

Algumas de suas obras mais famosas, incluem a série de litografias “Les Gens de Justice” (As Pessoas da Justiça), que retrata juízes e advogados em situações cômicas, sendo a mais famosa “Rua Transnonain, 15 de abril de 1834”, que representa a repressão brutal de uma revolta operária em Paris. Neste período, ele encontrou sua mídia e sua voz artística e ela era ao mesmo tempo gráfica e politicamente poderosa.

Em 1835, a censura foi revigorada, La Caricature foi silenciada e Daumier voltou então a sua atenção para a sátira social, examinando a sociedade parisiense a todos os níveis com o seu sarcasmo característico e inabalável. Dos advogados à burguesia, aos artistas pomposos e aos proprietários inescrupulosos, ele não poupou ninguém. Na maioria das vezes, suas litografias também foram publicadas na revista Le Charivari.

Em 1840, Daumier se uniu com Marie-Alexandrine Dassy, ​​que era costureira foram morar  na Ile Saint-Louis, no rio Sena, perto do Hotel Pimodan. Seus contemporâneos artísticos foram Eugène Delacroix, Jean-François Millet e Charles-François Daubigny, com quem ele se encontrava frequentemente neste hotel.

Em 1846, Daumier e Marie tiveram um filho, e logo após o nascimento da criança eles se casaram. Dois anos depois, o menino morreu, embora não haja detalhes sobre as circunstâncias de sua morte. Na verdade, como as poucas cartas e diários do artista, contêm pouca informação sobre a sua vida pessoal, a sua biografia é bastante limitada.

Ratapoil. Honoré Daumier. 1851

Outra revolução em 1848 mudou a maré dos artistas, mesmo que brevemente. Após a derrubada da monarquia de Louis-Philippe, as regras do estabelecimento artístico foram afrouxadas e artistas anteriormente marginalizados como ele, que eram em grande parte autodidatas ou literalmente treinados no trabalho, foram autorizados a inscrever obras para potencial seleção no Salão Anual de Paris. Embora se tenha abstido de submeter qualquer coisa ao Salão por ainda ser novo na pintura a óleo, participou num concurso para produzir uma representação alegórica da República Francesa. Das vinte pinturas inscritas, Daumier ficou em 11º lugar. Incentivado pelo júri do concurso, passou a dedicar-se mais seriamente à pintura a óleo e posteriormente produziu diversas pinturas com temática literária e clássica. Sua pintura ainda era um tanto desajeitada e, portanto, amplamente ignorada pelos críticos.

Em 1851, durante o período tumultuado que levou ao fim da efêmera República Francesa, Daumier voltou-se mais uma vez para o modo de expressão visual pelo qual era mais conhecido: desenhou uma série de cartuns políticos ferozes e polêmicos e também criou um dos suas caricaturas escultóricas de maior sucesso, Ratapoil . Este trabalho resumiu o clima político da época: a figura era o “valentão bonapartista” por excelência, do tipo que atormentou os eleitores parisienses nos dias que antecederam o golpe.

Advogado de Defesa. Honoré Daumier. 1862

Após o golpe e a posse de Luís Napoleão como imperador, mais uma vez a censura limitou sua produção artística. Ele voltou a criar comentários sociais menos voláteis por meio de caricaturas em Le Charivari e também começou a passar mais tempo fora da cidade de Barbizon na companhia de Millet e Henri Rousseau.

Em 1853 ele parou de expor no Salão anual, embora continuasse a pintar. Em 1860, ele perdeu o emprego em Le Charivari , pois seu trabalho parecia não gerar mais o favor público. Para ganhar a vida, passou a produzir aquarelas com temas contemporâneos, pois essas obras eram muito procuradas no mercado de arte. As pinturas tinham qualidade documental e de esboço, descrevendo a vida cotidiana em Paris, seja apresentando passageiros de trem, artistas de palco ou advogados no tribunal. Suas pinturas a óleo tinham um toque de caricatura enquanto ele mais uma vez fundia estilos de um meio para outro.

Emmanuel Arago. Honoré Daumier. 1869

Em 1864, ele assinou um novo contrato com Le Charivari com a proposta de continuar criando a sátira social e política na qual ele era tão magistral, Porém, ao retomar seu trabalho, percebeu que sua visão estava falhando. Ansiando pela vida tranquila do campo, passou a permanecer por períodos mais longos em Valmondois, onde alugou uma modesta casa que acabou por se tornar o seu refúgio permanente.

Em 1870, o governo francês ofereceu-lhe a cruz da Legião de Honra, embora de forma discreta e não publicamente. Ele recusou a oferta. Ele continuou a criar litografias e a pintar, mas sempre teve dificuldades financeiras.

De 1870 a 1871 com a eclosão da Guerra Franco-Prussiana depôs Napoleão III, durante o cerco brutal de Paris pelos prussianos, Daumier, tendo sido eleito membro da comissão para supervisionar a proteção das obras de arte no Museu do Louvre, opôs-se ativamente aos esforços de Gustave Coubert para demolir a Coluna Vendôme. Foi durante este período tumultuado da história da França que ele produziu algumas de suas obras mais poderosas, litografias relacionadas à guerra, à agitação civil, à consequente privação do cerco e assim por diante.

Em 1874, Jean-Baptiste-Camille Corot, que se tornou um amigo próximo, ajudou-o a comprar a casa em Valmondois.

Em 10 de fevereiro de 1879, Daumier faleceu após sofrer um derrame paralítico, deixando muitas pinturas inacabadas. Suas obras são encontradas em coleções de museus de todo o mundo, e seu legado continua relevante para aqueles que buscam compreender a história cultural e política da França.

GALERIA – ARTE COMENTADA

Daumier trabalhou principalmente como ilustrador de jornais e revistas, criando caricaturas políticas e sociais que muitas vezes eram mordazes e críticas do governo e da sociedade francesa da época. Ele também produziu uma série de pinturas, muitas das quais retratam a vida cotidiana dos parisienses e trabalhadores.

A República. Honoré Daumier. 1848

 Mãe – Muito afrente de seu tempo, a maternidade aqui representada, é puro expressionismo 50 anos antes do aparecimento oficial deste movimento

Mãe. Honoré Daumier. 1855

 O Colecionador – Daumier produziu aquarelas de alto acabamento como esta, para atrair um mercado crescente de colecionadores burgueses. Ao longo de sua carreira, ele tratou frequentemente de tema com espectadores e entusiastas da arte. Aqui, ele retratou um conhecedor exemplar reclinado em uma poltrona e contemplando a coleção ao seu redor. O objeto de seu olhar é uma réplica de mesa da Vênus de Milo, o monumental mármore grego que passou a simbolizar a beleza da arte antiga quando foi instalado no Museu do Louvre em 1821.

O Colecionador. Honoré Daumier.  1860-65 (Caneta e nanquim, aquarela, giz de cera litográfico e guache sobre giz preto sobre papel tecido)

A Carruagem de terceira classe – A industrialização e a urbanização sobre a classe trabalhadora de Paris, causou um grande impacto no artista, passando a ser um tema recorrente em sua obra. Nesta pintura, ele volta sua atenção para novas formas de transporte público – trens e ônibus. O seu interesse não está nos veículos em si, mas na forma como, entre outras coisas, a hierarquia social é reforçada mesmo dentro desses meios de comunicação modernos e alegadamente democráticos.

A Carruagem de terceira classe. Honoré Daumier. 1862-64
Don Quixote e Sancho Pansa. Honoré Daumier. 1865-1870
Um Artista (autorretrato). Honoré Daumier. 1875
“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”

Novidades pelo email

Assine nossa newsletter e receba todas novidades por email

Ir ao Topo