Seja bem vindo ao Arte e Artistas! Estamos em: 21/06/2024

Realismo

O Realismo, movimento artístico nas artes visuais, começou na França na segunda metade do Século XIX com a Revolução Industrial. Os pintores realistas rejeitaram o Romantismo, que passou a dominar toda a Europa, com suas raízes no final do século XVIII.

Precedentes…

Fundada em 1648 pelo Rei Luís XIV, a Academia Real de Pintura e Escultura regeu a produção de arte na França por quase dois séculos. Dada a proeminência da França na cultura europeia naquela época, a Academia estabeleceu padrões para a arte em todo o continente, fornecendo treinamento em estúdio para jovens talentos e reconhecendo realizações artísticas em suas exibições no Salão.

A forma mais elevada de arte estabelecida pela Academia em uma conferência de 1668, era a pintura histórica: a representação em grande escala de uma narrativa, tipicamente extraída da mitologia clássica, da Bíblia, da literatura ou dos anais das realizações humanas. Apenas os pintores mais famosos tinham permissão para pintar neste gênero, e suas obras eram as mais celebradas pela Academia. Descendo em importância na hierarquia dos gêneros estão o retrato, as cenas de gênero (a representação de camponeses ou pessoas sem importância), a paisagem (a representação da natureza viva) e a natureza morta.

Estimulado por descobertas arqueológicas na Grécia e na Itália em meados do século XVIII e ideais iluministas da razão e da ordem, o Neoclassicismo tornou-se o modo de excelência para a história da pintura no final de 1700. A pintura de história neoclássica, exemplificada na obra de Jacques-Louis David, usou referências clássicas, técnicas de composição e configurações para comentar sobre eventos contemporâneos

Em resposta ao Neoclassicismo, à Revolução Industrial e à racionalização iluminista da vida e da sociedade, o Romantismo abraçou a emoção intensa e irracional e o tema exótico como fontes mais autênticas para a criatividade artística. Em vez de cenas exteriores lindamente ordenadas, as paisagens românticas tornaram-se arenas para o conflito sublime entre o homem e a natureza.

Enquanto o Romantismo poderia ter rejeitado certos princípios do Neoclassicismo, que não se alterou drasticamente as instituições de arte e sociedade. O estado quase perpétuo de revolução na França no século XIX, forneceu um impulso para promulgar uma mudança mais radical. Após a Revolução inicial de 1789, a França passou pela Primeira República, o Primeiro Império sob Napoleão Bonaparte, a restauração da Monarquia Bourbon, a Revolução de 1830, a Monarquia de Julho, a Revolução de 1848, a Segunda República, o Segundo Império, o Franco- Guerra Prussiana e a Instituição da Comuna de Paris de 1871 e o estabelecimento da Terceira República.

Realismo…

Desafiando Neoclassicismo e Romantismo como escapista em face das questões sociais mais amplas trazidas pelo turbulento século XIX, o Realismo começou na França na década de 1840 como o aspecto cultural de uma resposta maior à constante mudança de governança, ocupação militar e exploração econômica das colônias, industrialização e urbanização nas cidades. Esse movimento, mais do que a simples representação da natureza, foi uma tentativa de se situar no real: na certeza científica, moral e política.

Na década de 1830, esse impulso em direção ao positivismo científico se manifestou com o advento da fotografia. Em 1839, Louis Daguerre demonstrou publicamente o daguerreótipo , fixando mecanicamente uma imagem da natureza em um suporte de metal com o uso de uma câmera. Simultaneamente, na Inglaterra, William Henry Fox Talbot fez o mesmo com o calótipo, que fixou a imagem em papel revestido com iodeto de prata. Por sua vez, a fotografia alimentou o realismo. Embora os artistas realistas raramente trabalhassem com fotografias, a maior força conceitual era sua pretensão de veracidade. Se o direito de governar era tradicionalmente apoiado pela arte que idealizava os poderosos, a fotografia sugeria a possibilidade de mostrar literalmente as verdadeiras falhas dos governantes. Em meio a um século revolucionário, os pintores realistas buscaram adaptar o valor de verdade da fotografia à sua arte.

Principais artistas…

Honoré Daumier. Autorretrato. 1879

Além da fotografia, outra grande influência no realismo foi a explosão do jornalismo e da caricatura socialmente crítica no início da Monarquia (1830-1848). Embora o reinado autoritário de Luís Filipe I terminasse em derrubada, os primeiros cinco anos de seu governo permitiram maior liberdade de imprensa. Foi nesse momento que Honoré Daumier (1808-1879) começou a publicar caricaturas críticas à monarquia, como a litografia Gargantua (1831), na qual zombou do rei como o gigante glutão do romance de 1534 de François Rabelais. A gravura, que poderia ser reproduzida e divulgada na imprensa, permitiu a Daumier divulgar suas composições críticas. Apesar de ter sido preso por seis meses por sua representação negativa do rei como Gargantua, ele continuou a criar outras obras e gravando por várias décadas, sempre com enfoque social.

Quando a monarquia de julho desabou na França em 1848, inaugurando a Segunda República (1848-51), foi como parte de uma onda maior de revolução europeia que trouxe mudanças sociais de amplo alcance na Alemanha, Itália, Império Austríaco, Holanda e Polônia. Esses eventos, combinados com a publicação de A filosofia da pobreza de Pierre-Joseph Proudhon em 1846 e o Manifesto comunista de Marx e Engels em 1848, lançaram uma nova luz nas margens da sociedade, e o realismo se tornou a linguagem visual de sua representação.

O Desespero. Gustav Coubert (Autorretrato) -1843

Amigo de Proudhon e o principal defensor do realismo, Gustave Courbet (1819-1877) liderou um ataque multifacetado ao poder político francês, aos costumes sociais burgueses e à instituição artística. Sua obra The Stone Breakers (Os Quebra-Pedras), exibido no salão, representava dois trabalhadores anônimos de classe baixa participando de um trabalho mal remunerado e árduo, uma cena que carregava associações desconfortáveis ​​com o socialismo para o público de classe média. Infelizmente esta pintura foi perdida no bombardeio de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial.

Se na década de 1850 Courbet pintou grandes obras com temas que questionavam os valores da sociedade francesa, Édouard Manet  (1832-1883) levou o realismo ainda mais longe na década de 1860. Depois de se tornar conhecido no Salão de 1861 expondo a pintura O Espanhol, submeteu  em 1863 a obra Le déjeuner sur l’herbe (O Almoço na Relva). Embora a pintura tenha sido rejeitada, foi exibida no Salão dos Recusados.

Édouard Manet. autorretrato. 1879

Os críticos, porém, caíam diretamente nas mãos de Courbet e Manet: a notoriedade que comandavam de suas obras era intencional, transformando-os em celebridades do mundo da arte. Além de turvar as categorias e temas tradicionais da pintura acadêmica, Courbet e Manet, por sua vez, desafiariam a própria instituição de arte do estado. Quando três de suas quatorze submissões à Exposição Universal de 1855 foram rejeitadas por considerações de tamanho, Courbet alugou um espaço adjacente à Exposição para construir seu próprio Pavilhão do Realismo, no qual ele abrigou quarenta de suas próprias obras para exibição pública gratuita. Quando Manet foi excluído da Exposição Universal de 1867, ele também exibiu independentemente. Além de desviar a atenção das exposições do governo e criar publicidade para seu trabalho, as intervenções de Courbet e Manet encorajaram futuros artistas, principalmente os impressionistas da geração seguinte a exibir sua arte de forma independente.

Jean-François Millet. Autorretrato 1881

Apesar da insistência de Courbet de que o socialismo informava sua pintura realista, nem todo artista realista perseguia seus objetivos políticos. Eles, no entanto, compartilhavam o interesse pela vida da classe baixa e o desejo de representá-la na arte erudita. Jean-François Millet (1814-1875) completou um trio de obras, As Respingadoras,  O Semeador e Angelus , que representaram o trabalho árduo da classe camponesa rural com dignidade, mas com um ar menos conflituoso do que as telas de Courbet. No entanto, mesmo a celebração aparentemente inócua de Millet da espinha dorsal rural da França, foi recebida como conteúdo socialista potencialmente perigoso pelos críticos conservadores na esteira da Revolução de 1848, que concedeu maiores direitos aos homens da província.

Jules Breton. Autorretrato. 1895

As pinturas de Jules Breton foram consideradas uma alternativa mais segura e foram chamadas de “realismo popular”. Em sua importante obra Os Respingadores retrata a mesma prática da pintura de Millet, em que as mulheres rurais pobres podem pegar os pedaços de grãos deixados para trás após a colheita. No entanto, Breton imaginou a cena acontecendo dentro de uma ordem estrita onde um homem com um cachorro que domina a cena, supervisionando o trabalho de campo. Uma torre no horizonte teria comunicado a natureza piedosa e os valores cristãos, bem como outra forma de governo, aos parisienses preocupados com a crescente igualdade que compartilhavam com seus colegas rurais.

Autorretrato em seu Cavalete. Camille Corot. 1825

Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875), foi talvez mais conhecido por estabelecer o gênero da paisagem como independentemente valioso e por ser precursor do impressionismo e, embora ocasionalmente incluísse pequenas figuras para apaziguar certos gostos acadêmicos por temas históricos ou alegóricos, ele preferia um gênero que inventou.  Autor de belas paisagens, suas pinturas são magistrais em seu uso sutil de tonalidade e em seu ar melancólico, até nostálgico; isso pode ser em grande parte inspirado pela Revolução Industrial, cujos efeitos não podem ser vistos em qualquer lugar de sua obra. O retrato de uma jovem em posição e que lembra a Mona Lisa de Leonardo da Vinci, é uma de suas obras mais famosas, cujo título é A Mulher com uma Pérola. 

A pintora Rosa Bonheur (1822-1899), cujos pais progressistas lhe permitiram estudar anatomia animal em celeiros e matadouros desde muito jovem, alcançou a fama pela primeira vez com uma pintura encomendada pelo governo que retrata quatro lavradores conduzindo um boi para arar um campo. Como se pensava ser uma referência a uma cena, esse primeiro exemplo de realismo foi poupado das críticas às grandes obras de Courbet. Em sua principal obra , A Feira de Cavalos, a artista demonstrou ainda mais seu foco no trabalho  e sua capacidade de criar composições dinâmicas por meio de observação atenta.

Realismo fora da França

Embora o realismo tenha sido inicialmente um fenômeno francês, ele obteve adeptos em toda a Europa e nos Estados Unidos. O americano James Abbott McNeill (1834-1903) tornou-se amigo de Courbet na década de 1860 e pintou em estilo realista. No entanto, Whistler era um defensor da “arte pela arte” e rejeitou a ideia da pintura como um empreendimento moral ou social à la Courbet.

Thomas EaKins (1844-1916) tornou-se o pintor realista mais proeminente dos Estados Unidos, integrando o estudo fotográfico em suas obras e revelando o caráter de seus temas por meio de observação atenta. A escolha de um tema contemporâneo segue a crença realista de que um artista deve ser de sua época.

O realista alemão Wilhelm Leibl (1844-1916) conheceu Courbet e viu seu trabalho quando o pintor francês visitou a Alemanha em 1869. Reconhecendo suas habilidades, Courbet o atraiu de volta a Paris, onde Leibl obteve sucesso considerável, também conhecendo Manet antes de retornar a Munique para se estabelecer em seu país como o primeiro pintor realista em seu país.

Na Rússia destaca-se Ilya Repin (1844-1930) durante o século XIX, foi responsável por trazer a arte visual de seu país para a atenção do público europeu.  O romancista Leo Tolstoy escreveria sobre o artista que ele retratou “a vida do povo muito melhor do que qualquer outro artista russo”. Tendo viajado para Paris e tomado conhecimento do movimento nascente do impressionismo, Repin optou por continuar pintando em uma veia realista, porque ele sentiu que a pintura impressionista carecia das motivações sociais necessárias para a arte moderna.

Carl Larsson (1853-1919) – Famoso pintor sueco, pelas suas lindas aquarelas que retratam a vida familiar e os interiores e arredores de sua casa na província histórica da Dalecárlia, na Suécia. Um dos artistas mais amados de seu país de todos os tempos

José Ferraz de Almeida Júnior (1850-1890) foi um artista muito respeitado por toda a crítica,  é considerado o precursor dos modernistas brasileiro. Ele tinha a preocupação em valorizar nas telas o homem do povo no seu cotidiano, em inserir os personagens típicos de seu país, o que contrastava com a monumentalidade que até então predominava nas artes plásticas do Brasil. Indiscutivelmente, o artista inovou com o tratamento da luz em sua pintura que até hoje é comentada e apreciada, bem como também, pelos temas escolhidos em suas composições, onde valoriza o ser humano comum, levou alguns críticos a compará-lo com a do pintor realista Gustave Courbet, artista que Almeida Júnior tivera contato com suas obras quando viajou para a Europa.

Influências …

Não havia um grupo definido no realismo, como poderíamos conceber os impressionistas posteriores como um grupo coerente que trabalharam juntos: o movimento realista composto de vários artistas criando independentemente em linhas semelhantes. Embora eles se conhecessem e os artistas e escritores fossem amigos que se apoiavam mutuamente, não houve separação ou dissolução do grupo. Assim, os motivos históricos e artísticos que levaram à gênese e ao desenvolvimento do Realismo continuaram com o  surgimento de outros artistas de todo o mundo por muitas gerações.

Courbet e Manet são frequentemente invocados como os primeiros artistas de vanguarda, e sua mistura de arte e crítica bases estabelecidas para cada artista socialmente engajada em seu rastro. Além disso, sua trajetória visual para o nivelamento teve ramificações generalizadas para a pintura, sem as quais o próximo passo de Manet no impressionismo não poderia ter acontecido. O uso de linhas de contorno para estruturar a forma e separá-la em painéis coloridos, também foi uma inspiração para o pós-impressionista Paul Cézanne e seus seguidores.

Mesmo artistas com objetivos drasticamente diferentes dos do realismo, apontaram sua dívida para com o movimento. Giorgio de Chirico, o líder da Pintura Metafísica, escreveu sobre sua reverência a Courbet, que ele reconheceu como uma figura paterna artística.

André Breton, o fundador do surrealismo, celebraria a mistura de Courbet do artístico com o político; o dissidente surrealista Georges Bataille apontou Manet como o pai da arte moderna por ser o primeiro a destruir o tema na pintura.

OBRAS CITADAS

Gargantua. Honoré Daumier. 1831 – Caricatura – Litografia – Localização: Biblioteca Nacional da França, Paris
Os Quebradores de Pedras. Gustav Coubert. 1849 – Óleo sobre tela (165 x 257cm) – Para saber mais sobre essa obra, clique aqui
O Espanhol. Édouard Manet. 1860 – Óleo sobre tela (147,3 x 114,3cm)
O Semeador. Jean-François Millet. 1850 – Óleo sobre tela  – Localização: Museu de Belas Artes de Boston
Os Respingadores. Jules Breton. 1854 – Óleo sobre tela (93 x 138cm) – Localização: Galeria Nacional da Irlanda
A Feira de Cavalos. Rosa Bonheur. 1852-55 – Óleo sobre tela (244,5 x 506,7 cm) – Localização: Galeria Nacional, Londres
A Mulher com uma Pérola. Jean-Baptiste Camille Corot. 1868 – Localização: Museu do Louvre, Paris (França)
“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”

Novidades pelo email

Assine nossa newsletter e receba todas novidades por email

Ir ao Topo