Biografia completa de Roy Lichtenstein

Roy Lichtenstein foi um artista americano, um dos primeiros a alcançar amplo reconhecimento nas críticas ao movimento da Pop Arte.

A cultura popular ao longo do Século XX trazia fortes referências que influenciaram muitos artistas. Nas obras de Lichtenstein, seu estilo, os temas e as técnicas de reprodução comuns, dominaram a arte inteiramente. Isso marcou uma grande mudança no expressionismo abstrato, cujos temas frequentemente trágicos brotavam na alma dos artistas contemporâneos a ele.

BIOGRAFIA

Roy Fox Lichtenstein nasceu em 27 de outubro de 1923 na cidade de Nova York em uma família de ascendência judaico-alemã. Era filho de Milton e Beatrice Lichtenstein; teve uma irmã, Renee. Quando criança, Roy gostava de ouvir programas de rádio, de ficção científica, visitar o Museu Americano de História Natural, de desenhar e construir modelos de aviões.

Em 1937, já adolescente, cultivou seus interesses artísticos tendo aulas de aquarela na Escola Parsons de Desenho. Em 1940, matriculou-se na Liga dos Estudantes de Arte após se formar no Ensino Médio.

Depois de servir no exército por três anos, Lichtenstein voltou para casa em 1946 assim conseguiu completar seus estudos, obtendo bacharelado e mestrado em artes plásticas. Ele fez uma breve passagem pela Universidade Estadual de Ohio antes de seguir para Cleveland. Seus primeiros ídolos artísticos foram Rembrandt, Daumier e Picasso;  costumava dizer que Guernica era sua pintura favorita.

No final da década de 1940, ele começou a expor seu trabalho em galerias de arte. Suas pinturas tinham como temas a história, a mitologia e o folclore americano.

Em 1945 viajou para Paris e matriculou-se em uma escola de línguas e civilização francesa, mas logo soube que seu pai estava gravemente doente. Ele voltou a Nova York em janeiro de 1946, algumas semanas antes da morte de seu pai, Milton Lichtenstein.

Em 1949, ele se casou com Isabel Wilson Sarisky que trabalhava em uma galeria de arte onde Lichtenstein expunha seus trabalhos. Nesse período fez também seu mestrado.

Durante a década de 1950, começou a fazer experiências com a cultura popular como tema de sua arte, rompendo com a tradição do expressionismo abstrato popular entre os principais artistas da época, como Jackson Pollock,  Passou a usar materiais de Histórias em Quadrinhos e anúncios, com um método preciso para criar arte que imitou um processo de impressão produzido em massa.

Autorretrato com um Cavalete. 1951

Em 1951, Roy e Isabel se mudaram para Cleveland. Sua esposa tornou-se uma decoradora de interiores especializada em design moderno.  Ele teve uma série de empregos atuando como desenhista industrial, designer de móveis e vitrinista, incluindo o de professor universitário. Em resposta a essas experiências, ele introduziu motores, válvulas e outros elementos mecânicos que dominaram em suas pinturas e impressões.

No mesmo ano, teve sua primeira exposição individual na Carlebach Gallery de Nova York, seguida de representação na John Heller Gallery até 1957.

Em 1954, nasceu o primeiro filho, David e depois de dois anos seu segundo filho, Mitchell. Apesar da relativa falta de interesse por seu trabalho em Cleveland, Lichtenstein colocou seu trabalho em concessionários de Nova York, o que sempre teve uma grande importância para ele.

No início da década de 1960, muito antes de encontrar seu modo de expressão característico, ele chamou a atenção para o artifício das convenções e do gosto que permeou a arte e a sociedade. O que os outros consideravam trivial o fascinava como clássico e idealizado – em suas palavras, “um tema mitológico puramente americano”. Nesse período, o artista incorporava personagens de histórias em quadrinhos como Mickey Mouse e Pato Donald em fundos expressionistas abstratos, se tornaram uma marca registrada para sempre identificada com Lichtenstein e a Pop Arte.

Em 1963, depois de se separar de sua esposa, ele se mudou de Nova Jersey para Manhattan. No ano seguinte se demitiu de seu cargo de professor para se concentrar exclusivamente para a sua arte.

Em 1964, participou da exposição American Supermarket  na Galeria Paul Bianchini  para a qual ele projetou uma sacola de compras, foi quando ele conheceu Dorothy Herzka, uma funcionária da galeria, com quem ele se casou em 1968.

No final da década de 1960, no entanto, ele se afastou dos quadrinhos e começou a criar pinturas inspiradas em mestres como Pablo Picasso  e Salvador Dali. Um de seus novos estilos era a pintura em espelho, que era feita em tela em forma de esfera. Ele também se concentrou em pinturas de naturezas mortas e muitas vezes aplicou ilusões de ótica para mostrar uma versão distorcida da realidade. Em 1969 ele teve sua primeira retrospectiva em Nova York, no Museu Solomon R. Guggenheim.

Seu trabalho foi exibido na mostra de arte da Bienal de Veneza. A História em Quadrinhos passou a ser constante em sua obra, assim a artista começou a ganhar popularidade explorando temas de paixão, violência e guerra. Lichtenstein tornou-se um líder do movimento Pop Arte, que incluía artistas como Andy Warhol e o escultor Claes Oldenburg.

Roy Lichtenstein, foto de 1992

Em 1970, o casal Lichtenstein compraram uma propriedade em Southampton (Nova Iorque) e fizeram dela sua residência principal. Durante esse período, o artista investigou um aspecto da percepção que o preocupava constantemente: a facilidade com que o irreal é validado como real porque os espectadores aceitaram tantas concepções visuais que não analisavam o que viam. Como  resultado, podemos observar na Série Mirror, onde ele lidou principalmente com os elementos de luz e sombra.

Durante a década de 1980, ele realizou muitas encomendas, como uma escultura de 25 metros de altura para o Aeroporto Internacional de Port Columbus, em Ohio, intitulada Pinceladas em Voo, bem como um mural de vários andares para o saguão da Torre Equitable em Nova Iorque. Nesse período ele estava extraindo de uma ampla variedade de influências em seu trabalho, inspirando-se no surrealismo, cubismo e expressionismo, e usando muitos tipos diferentes de mídia. Ele restabeleceu um estúdio em Manhattan e se interessou mais pelo Expressionismo Abstrato, bem como pela abstração geométrica. Esse período coincidiu com o restabelecimento de um estúdio na cidade de Nova York, Lichtenstein também estava no ápice de uma movimentada carreira de mural. ele havia concluído quatro murais; entre 1983 e 1990, criou cinco murais. Ele também concluiu esculturas públicas em Miami Beach, Columbus, Minneapolis, Paris, Barcelona e Cingapura.

O artista em seu estúdio

Na década de 1990, ele criou uma série de interiores baseando seus projetos em anúncios nas páginas amarelas. Além disso, continuou a produzir grandes pinturas e esculturas para espaços públicos. Em 1995, recebeu a Medalha Nacional de Artes. Em 1996, realizou uma exposição exibindo paisagens tradicionais chinesas que recebeu muitos elogios, principalmente na mídia. As configurações de terra, água, montanhas e ar encontradas nas pinturas e pergaminhos da dinastia Song, são simuladas por campos suaves de pontos graduados. Nenhum dos contornos pretos usuais de Lichtenstein define as formas monocromáticas, o que aumenta a qualidade contemplativa e abstrata dessa série.

A longa de sua carreira, Lichtenstein foi homenageado como um dos maiores artistas americanos. Ele esteve comprometido com seu trabalho até o final de sua vida, muitas vezes passando dez horas ou mais trabalhando em seu estúdio.

Em 1997, após ter  adoecido com pneumonia, faleceu inesperadamente em 29 de setembro de complicações com a doença aos 73 anos. Em 1999 foi fundada a Fundação Roy Lichtenstein, em Nova Iorque.

Sua obra compreende mais de 5.000 pinturas, gravuras, desenhos, esculturas, murais e outros objetos celebrados por sua inteligência e invenção.

 

GALERIA – ARTE COMENTADA

Suas primeiras pinturas totalmente realizadas foram baseadas em imagens de histórias em quadrinhos e anúncios e reproduzidas em um estilo que imita os processos de impressão grosseiros da reprodução de jornais.

Nota de Dez Dólares.litografia. Roy Lichtenstein. 1956

Essa é uma litografia em que o artista aplica uma combinação de arte americana e cubismo. Faz parte do início de seu trabalho relacionado à pop art.

Popeye. Roy Lichtenstein. 1961

Popeye –  Nesse período, ele escolheu personagens imediatamente reconhecíveis como Mickey Mouse e Popeye, que foi uma das primeiras pinturas do estilo Pop que Lichtenstein criou . Nessa pintura, Popeye aparece com seu rival Bluto. A obra também se distingue por ser uma das últimas em que Lichtenstein realmente assinou seu nome na superfície da imagem. Alguns sugeriram que o soco de Popeye pretendia ser uma resposta astuta a uma das ideias reinantes na crítica de arte contemporânea de que o design de uma imagem deveria causar um impacto visual imediato.

 

Blam. Roy Lichtenstein. 1962 – Localização: Galeria de Arte da Universidade de Yale, New Haven, Connecticut, USA
No Carro. Roy Lichtenstein. 1963 – Localização: Galeria Nacional de Arte Moderna da Escócia, Edimburgo, Reino Unido

Kiss V – Esta obra é apenas uma das várias imagens baseadas em desenhos animados criadas durante o auge da popularidade de Lichtenstein. É incerto o que a história de fundo pode ser entre esses dois personagens. Talvez eles estejam se separando, envoltos num abraço doloroso enquanto se despedem um do outro com um último beijo. Ou talvez estejamos testemunhando um momento mais feliz, com lágrimas de alegria provocadas por um reencontro após uma longa e angustiante separação.

Kiss V. Roy Lichtenstein. 1964

Loira – Em 1965 seu interesse por sombra e luz, o levou a esculpir cabeças de cerâmica. Ele estava interessado em trazer os símbolos de duas dimensões para um objeto tridimensional

Sobre essa peça, Lichtenstein declarou:

“Sempre quis caracterizar alguém como uma história em quadrinhos. Eu ia colocar maquiagem em uma modelo com linhas pretas ao redor dos lábios, pontos no rosto e uma peruca tingida de amarelo e preto”.

Loira. Roy Lichtenstein. 1965 (cerâmica pintada – 38,1 x 21 x 20,3 cm) – Coleção particular

Pequena Grande Pintura – Esse é um exemplo de um trabalho voltado ao expressionismo abstrato que o artista empregou no final de década de 1960.

Pequena Grande Pintura. Roy Lichtenstein. 1965 – Óleo e acrílica sobre tela (172,7 x 203,2 cm) – Localização: Museu de Arte Americana Whitney

Mirror – O vapor, os reflexos e a sombra eram signos para si próprios que seriam imediatamente reconhecidos como tal por qualquer espectador.

Mirror. Roy Lichtenstein.1972

Durante a década de 1970, Lichtenstein difundiu sua paleta indo além das cores primárias. Ele criava formas em sua composição justapondo, sobrepondo, fragmentando e recompondo essas imagens.

Natureza Morta com Peixe Dourado. Roy Lichtenstein. 1974
Espelho I. Roy Lichtenstein. 1977

Espelho I – Roy Lichtenstein ficou particularmente fascinado pela forma abstrata como os cartunistas desenhavam os espelhos, usando linhas diagonais para denotar uma superfície reflexiva. Certa vez, ele comentou: “Agora, você vê essas linhas e sabe que significa ‘espelho’, embora obviamente não existam tais linhas na realidade. É uma convenção que aceitamos inconscientemente.” Embora a série possa ter sido inspirada pelo aparecimento de espelhos em desenhos animados, o artista claramente também queria se envolver com temas de reprodução e reflexão, que interessaram artistas pelo menos desde o Renascimento. 

Pisando fora. Roy Lichtenstein. 1978 – Óleo e acrílica sobre tela (220,3 x 178,1 cm) – Museu Metropolitano de Arte de Nova Iorque. USA
Pinceladas em Voo. Roy Lichtenstein. 1983 – Localização: Aeroporto Internacional de Port Columbus
Interior com Parede Espelhada. Roy Lichtenstein. 1991 – Óleo e acrílica sobre tela (320,4 x 406,4 cm) – Localização: Museu Solomon R. Guggenheim, Nova Iorque (USA)

Lichtenstein realizou grandes encomendas de esculturas públicas em Miami Beach, Columbus, Minneapolis, Paris, Cingapura e Barcelona.

O Chefe de Barcelona. Roy Lichtenstein. 1991-1992 – Concreto e cerâmica (19,51 m), Espanha

Paisagem na Névoa – Seguindo a tradição chinesa da Dinastia Song, Lichtenstein realizou algumas litografias, seguindo seu próprio estilo ao criar a composição em que ele se utiliza também da abstração, como podemos observar nessa paisagem…

Paisagem na Névoa (litografia). Roy Lichtenstein. 1996

 

por Roseli Paulino – @arteeartistas

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”