Biografia de Giorgio de Chirico e a Pintura Metafísica

Giorgio de Chirico foi um artista de origem italiana que criou paisagens urbanas distintas que ajudaram a estabelecer as bases para o desenvolvimento da arte surrealista no século XX. Ele inspirou-se ao longo da vida em mitologia e arquitetura para criar obras que atraísse o observador para um mundo simultaneamente familiar e assustadoramente perturbador. A chave para o seu trabalho é o amor que ele expressou pelo passado clássico. Ele chegou a isso por meio de seu apreço pelo Romantismo alemão, e foi isso que lhe revelou novas maneiras de ver os clássicos e maneiras de tratar temas de tragédia, enigma e melancolia. Para de Chirico, os temas e motivos dos clássicos gregos e romanos permaneceram válidos até no mundo moderno. Foi um trabalho nesse estilo que o encorajou a formar o efêmero movimento de Arte Metafísica, junto com o pintor Carlo Carrà.

BIOGRAFIA

Giorgio de Chirico nasceu na Grécia de pais italianos, no dia 10 de julho de 1888 em Vólos, uma cidade portuária próxima de Atenas. Seu pai era um engenheiro que trabalhava na construção do sistema ferroviário grego e sua mãe era uma nobre de origem genovesa. Seus pais incentivaram em seu desenvolvimento artístico e, desde jovem, ele se interessou muito pela mitologia grega. Sua cidade natal foi o porto usado por Jasão e os Argonautas quando eles zarparam para encontrar o Velocino de Ouro.

De 1903 a 1905, de Chirico estudou na Escola Superior de Belas Artes de Atenas. Após a morte de seu pai em 1905, a família visitou Florença antes de se mudar para a Alemanha no ano seguinte. De Chirico matriculou-se na Academia de Belas Artes de Munique e desenvolveu um forte interesse por artistas simbolistas como o alemão Max Klinger e particularmente o pintor suíço Arnold Böcklin.

Em março de 1910, ele deixou Munique antes de se formar para se reunir com sua família em Milão. Pouco depois, mudou-se para Florença e, através do escritor italiano Giovanni Papini, começou a estudar alguns filósofos alemães como Friedrich Nietzsche, Arthur Schopenhauer e Otto Weininger. O artista tentou relacionar a obra desses homens à sua pintura, buscando transcender as aparências banais do cotidiano e desvendar a realidade que ele acreditava estar oculta.

Autorretrato. Giorgio de Chirico. 1911

Nesse período, há referências recorrentes à memória, perda, mistério, passagem do tempo e arquitetura – em particular arcos e torres – em praças e paisagens urbanas desoladas e melancólicas. Eles parecem ser imagens de cidades mediterrâneas despovoadas, em um tempo além da história – onde a vida cotidiana é imbuída de mitologia. Nos próximos dez anos o artista passou desenvolvendo seu estilo de pintura metafísica. Ele tentou infundir suas interpretações da realidade comum com o impacto da mitologia e estados de espírito como nostalgia e uma sensação de espera. O resultado foram pinturas assombrosas e até perturbadoras.

Em julho de 1911, mudou-se com sua mãe para Paris para se juntar ao irmão Andrea, tendo uma passagem por Turim no caminho. Ele tinha se interessado pela cidade, pois era o lugar onde Nietzsche exibiu seus primeiros sinais de loucura em 1889. A arquitetura das praças e arcos causou um impacto considerável nele, e locais na cidade podem ser vistos em suas pinturas deste período.

Em maio de 1915, junto com seu irmão se alistou no exército italiano para lutar na Primeira Guerra Mundial. O artista ficou hospedado em Ferrara, continuou a pintar com as arcadas e vitrines da cidade aparecendo em suas obras. Ele começou a usar manequins em quadros que produzia, e estes se tornaram mais frequentes em suas pinturas.

Em 1917, um estado de nervosismo obrigou-o a internar-se em um hospital italiano, onde continuou a trabalhar, produzindo imagens principalmente com interiores desordenados no estilo metafísico. No hospital, ele conheceu Carlo Carrà, e através de suas trocas de experiências, nascia a Arte metafísica, ou pintura metafisica.

No início de 1919, De Chirico fez sua primeira exposição individual na Galeria Bragaglia, em Roma, foi nesse período que ele teve uma revelação enquanto contemplava uma pintura do pintor italiano Ticiano na Galeria Borghese de Roma. Após o início da Primeira Guerra Mundial, alistou-se no exército italiano e em vez de servir no campo de batalha, aceitou uma missão em um hospital em Ferrara, onde continuou pintando. Entretanto, a sua reputação como artista continuou a crescer e a primeira mostra individual de Chirico teve lugar em Roma em 1919.

Entre 1919 e 1924, enquanto estava em Roma, realizou pinturas figurativas que revelaram um conhecimento subdesenvolvido de anatomia, onde trabalhou em sua técnica e se inspirou nos Velhos Mestres.

Durante esse período, o artista também se interessou por outras modalidades artísticas. Em 1924, realiza projetos para um balé em Paris a partir de um conto do dramaturgo italiano Luigi Pirandello. Em 1929, fez litografias para uma reprodução do livro de poemas de Guillaume Apollinaire. No mesmo ano, ele escreveu seu único romance, Hebdomeros. Apesar de sua mudança artística, a coleção onírica de impressões e situações do livro funciona como um companheiro literário para suas pinturas metafísicas. Nessa época, De Chirico havia se distanciado dos surrealistas, porém seu livro ainda é considerado um dos melhores exemplos da literatura surrealista.

Autorretrato nu. Giorgio de Chirico. 1945

De 1930 até o fim de sua vida, de Chirico pintou e produziu novas obras por mais quase cinquenta anos. Mudou-se para os Estados Unidos em 1936 e depois voltou para Roma em 1944, onde permaneceu até sua morte. Comprou uma casa perto da Escadaria Espanhola, que hoje é a Casa Giorgio de Chirico, um museu dedicado à sua obra.

No final dos anos 1960, ele começou a criar pequenas esculturas em bronze, nas quais algumas das figuras foram baseadas de suas pinturas anteriores, incluindo os manequins de seu período produzidos em Ferrara, na Itália.

De Chirico foi um artista extremamente prolífico em seus 80 anos de vida. Em 1974, foi eleito membro da Academia de Belas Artes da França. Faleceu em Roma, no dia 20 de novembro de 1978.

LEGADO

O impacto mais substancial de De Chirico na História da Arte foi sua aceitação pelos surrealistas como um pioneiro em seu reino. Entre os artistas que reconheceram abertamente sua influência estavam Max Ernst, Salvador Dalí e René Magritte. Este último disse que sua primeira visão da Canção do Amor, de De Chirico , foi “um dos momentos mais emocionantes da minha vida: meus olhos viram pela primeira vez”.

Os cineastas também reconheceram o impacto de suas pinturas metafísicas em seu trabalho. O diretor italiano Michelangelo Antonioni criou paisagens urbanas escuras e vazias que refletem algumas das pinturas mais notáveis de De Chirico. Alfred Hitchcock e Fritz Lang também têm uma dívida com as obras criadas por Giorgio de Chirico.

GALERIA – ARTE COMENTADA

Enigma de uma Tarde de Outono – De Chirico apresenta nessa obra, uma cena tranquila e simplificada de uma praça da cidade. Neste caso, é em Florença, a Piazza Santa Croce da Itália, onde a artista afirma ter um momento de clareza onde o mundo aparece como se pela primeira vez. A praça quase vazia inclui uma estátua e a fachada clássica de um edifício. Alguns observadores acharam a pintura desconfortável de ver, enquanto outros a consideraram estranhamente reconfortante.

Enigma de uma tarde de Outono. Giorgio de Chirico. 1909

Heitor e AndrómacaClique aqui e saiba mais sobre essa famosa pintura

Heitor e Andrómaca. Giorgio de Chirico. 1912
Piazza d’Italia. Giorgio de Chirico. 1913 – Óleo sobre tela (35,2 x 25 cm)

A Melancolia da PartidaEssa é uma de suas obras mais célebres de De Chirico. Na realidade ele não a criou para representar um lugar particular, em vez disso, ele se apropriou de elementos arquitetônicos como um designer de palco usando adereços. O uso de vários pontos de fuga produz um impacto inquietante no visualizador.

A Melancolia da Partida. Giorgio de Chirico. 1914 – Localização: Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MOMA)

A Canção do Amor – Podemos perceber o perfil de uma locomotiva no fundo dessa pintura que foi usada em homenagem ao pai do artista que era ferroviário, assim o trem passa a ser um elemento nostálgico. A composição apresenta em primeiro plano uma bola verde, porém o que chama mais atenção, está na cabeça do Apolo de Belvedere que é colocada ao lado de uma luva vermelha encostados em uma parede inclinada.

É comum encontrar arquiteturas vazias em passagens sombrias nessa fase de sua obra. O silêncio onírico, a solidão com vestígios da presença humana,  evocam o profundo absurdo de um universo que acabaria sendo dilacerado pela Primeira Guerra Mundial.

A Canção do Amor. Giorgio de Chirico. 1914 – Óleo sobre tela (59,4 x 73 cm) – Localização: Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MOMA)

As Musas Inquietantes de Giorgio de Quirico, é uma das obras primas do Século XX

As Musas Inquietantes. Giorgio de Chirico. 1918

Autorretrato – Esse é um curioso autorretrato em que o artista se apresenta como uma figura visionária. À medida que seu trabalho se tornou mais conservador na década de 1920, ele passou a se interessar cada vez mais por técnicas de pintura mais antigas. Aqui ele se mostra contemplando sua própria imagem tal como apareceria em um busto clássico. Mas o artista está olhando para além da influência anterior, olhando para o espectador com uma expressão experiente, exibindo sua intenção de levar sua arte mais longe. Esta representado à direita ao estilo dos pintores maneiristas do século XVI e à esquerda, sua imagem se transforma em escultura clássica. Ambos representam o crescente interesse do artista pelas técnicas tradicionais.

Autorretrato. Giorgio de Chirico. 1922

A Família do Pintor – Os manequins que são marcas registradas em sua obra, surgem aqui com uma solidez de carne, enquanto seu agrupamento ecoa cenas tradicionais da Sagrada Família. O cavalete e o bastão de pintura parecem referir-se à crença do artista na importância de habilidades técnicas antiquadas. No entanto, sua relação à tradição e ao passado sempre foi ambígua e irônica. Os fragmentos de construção que emergem dos estômagos dos manequins, por exemplo, parecem vagamente clássicos, mas também sugerem blocos de construção de uma criança.

A Família do Pintor. Giorgio de Chirico. 1926 – Localização: Tate – Museu Nacional de Arte Moderna (Londres)

“Tudo tem dois aspectos: o aspecto atual, que vemos quase sempre e que o homem comum vê, e o aspecto fantasmagórico e metafísico, que apenas raros indivíduos podem ver em momentos de clarividência e abstração metafísica ”. (Giorgio de Chirico)

Autorretrato no Estúdio. Giorgio de Chirico. 1935

“A arte é a rede fatal que captura esses momentos estranhos voando como misteriosos, fugindo da inocência e da distração do homem comum.” – Giorgio de Chirico

Praça Italiana com Torre Vermelha. 1943

“O que ouço não tem valor; só o que vejo é vivo e, quando fecho os olhos, a minha visão fica ainda mais poderosa ”. (Giorgio de Chirico)

– Um Trovador. Giorgio de Chirico. 1950

por Roseli Paulino – @arteeartistas

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”