Biografia de Max Ernst

Max Ernst foi pintor, escultor, artista gráfico e poeta alemão. Tornou-se um dos principais artistas modernistas da Europa no início e meados do século XX e uma das principais figuras do Dadaísmo e Surrealismo.  Muitas de suas obras refletem o terror que ele experimentou durante as duas grandes guerras mundiais.

BIOGRAFIA

Max Ernst nasceu na Alemanha, no dia 2 de abril de 1891 em uma pequena cidade da Renânia chamada Brühl, nos arredores de Colônia. Foi o terceiro de nove filhos de uma família católica de classe média. Seu pai, Philipp, era professor disciplinador de surdos e pintor amador. Ele inspirou em Max uma tendência para desafiar a autoridade, enquanto seu interesse em pintar e esboçar na natureza o influenciou a começar a pintar desde cedo.

Autorretrato. 1909

Em 1909, matriculou-se na Universidade de Bonn, estudando filosofia, história da arte, literatura, psicologia e psiquiatria. Ele visitou asilos e ficou fascinado com a arte dos doentes mentais; ele também começou a pintar naquele ano, fazendo esboços no jardim do castelo Bruhl, retratos de sua irmã e de si mesmo.

Em 1911, conheceu August Macke e se juntou ao grupo de artistas Os Expressionistas Renanos  (Die Rheinischen Expressionisten), foi quando decidiu tornar-se um artista.

Em 1912, visitou a exposição Sonderbund em Colônia, onde teve contato com obras de Pablo Picasso e dos pós-impressionistas Vincent van GoghPaul Gauguin, artistas que influenciaram profundamente em abordagem artísitca.

Em 1914, conheceu Hans Arp em Colônia, logo tornaram-se amigos e companheiros no Dadaísmo, o relacionamento de amizade duraria por muitos anos.

Depois que Ernst completou seus estudos no verão do mesmo ano, sua vida foi interrompida pela Primeira Guerra Mundial, sendo convocado e serviu tanto na frente ocidental quanto na oriental por quatro anos. No entanto, por um breve período na frente ocidental, Ernst foi designado para mapear mapas, o que lhe permitiu continuar pintando. Vários pintores expressionistas alemães morreram em ação durante a guerra, entre eles August Macke e Franz Marc.

Em 1918, ele retornou à sua vida civil e voltou para Colônia. Logo se casou com a estudante de história da arte Luise Straus, que conheceu em 1914.

Em 1919, Ernst visitou Paul Klee em Munique e estudou pinturas de Giorgio de Chirico, que o impressionaram profundamente. No mesmo ano, inspirado em parte por de Chirico e também pelo estudo de catálogos de correspondência, manuais de auxiliares de ensino e fontes semelhantes, ele produziu suas primeiras colagens, uma técnica que viria a dominar suas atividades artísticas nos próximos anos. No mesmo ano, Ernst e vários colegas fundaram o grupo Cologne Dada e em seguida organizaram exposições Dadaístas.

O casamento de Ernst com Luise durou pouco, tiveram um filho, Ulrich ‘Jimmy’ Ernst, nasceu em 24 de junho de 1920 e também se tornou um pintor.

Em 1921 ele conheceu Paul Éluard, que se tornou um amigo íntimo ao longo da vida. Um ano depois, os dois conheceram André Breton.

Em 1922, incapaz de obter os documentos necessários, Ernst entrou na França ilegalmente e passou a viver com Paul Éluard e sua esposa Gala Éluard no subúrbio parisiense de Saint-Brice, deixando para trás sua esposa e filho.

Em 1923, os Éluards mudaram-se para uma nova casa em Eaubonne, perto de Paris, onde Ernst pintou vários murais. Durante sua estada em Paris, Max Ernst adaptou as teorias de Sigmund Freud como um paradigma unificador que subentende os componentes teóricos, técnicos, textuais e visuais de sua arte. No mesmo ano, seus trabalhos foram exibidos no Salão dos Independentes.

Em 1924 ele partiu abruptamente, primeiro para Mônaco e depois para Saigon, no Vietnã abandonando o casal Éluard. Ele voltou a Paris no final de 1924 e logo assinou um contrato com Jacques Viot que lhe permitiu pintar em tempo integral.

Em, 1925, estava em constante experimentação, inventou uma técnica de arte gráfica chamada frottage, que usa a fricção de objetos a lápis como fonte de imagens. Ele também criou a técnica grattage, na qual a tinta é raspada na tela para revelar as impressões dos objetos colocados abaixo; neste período ele já estava trabalhando em seu próprio estúdio.

Em 1926 colaborou, com Joan Miró em projetos para Sergei Diaghilev. Com a ajuda de Miró, Ernst foi pioneiro no grattage, no qual ele extraía pigmento de suas telas com espátula. Ele também explorou a técnica da decalcomania, que envolve a pressão de tinta entre duas superfícies.

Em 1927, Ernst casou-se com Marie-Berthe Aurenche, e acredita-se que seu relacionamento com ela pode ter inspirado o tema erótico de O Beijo e outras obras produzidas no mesmo ano.

Em 1934, começou a fazer escultura  e conviveu com Alberto Giacometti.

Em 1938, a herdeira americana e patrocinadora artística Peggy Guggenheim adquiriu várias obras de Max Ernst, que ela exibiu em seu novo museu em Londres.

Em setembro de 1939, a eclosão da Segunda Guerra Mundial fez com que Ernst fosse internado como um estrangeiro indesejável perto de Aix-en-Provence, junto com o colega surrealista Hans Bellmer, que recentemente emigrou para Paris. Graças à intercessão de Paul Éluard e outros amigos,  ele foi libertado algumas semanas depois. Logo após a ocupação alemã da França, ele foi preso novamente, desta vez pela Gestapo, mas conseguiu escapar e fugir para a América com a ajuda de Peggy Guggenheim.

Em 1941, Ernst e Peggy chegaram aos Estados Unidos e se casaram no ano seguinte. Junto com outros artistas como Marcel Duchamp e Marc Chagall que fugiram da guerra e viveram na cidade de Nova York, Ernst ajudou a inspirar o desenvolvimento do expressionismo abstrato.  Ele fez algumas pequenas pinturas balançando uma lata furada de tinta em um barbante sobre uma tela estendida no chão; o padrão resultante de gotas claramente antecipou os trabalhos de Jackson Pollock. Não havia nenhuma técnica casual – coloração, fricção, salpicos, manipulação acidental, manchas de transferência – que Ernst não fosse pioneiro. O seu era um dos talentos mais duráveis e férteis de toda a nossa cultura, um grande inimigo do trivial, do falso e do solene.

Seu casamento com Guggenheim durou cerca de cinco anos, e em 1946, se casou com Dorothea Tanning em Beverly Hills em uma cerimônia dupla com Man Ray e Juliet P. Browner. O casal  construiu uma casa em Sedona, Arizona. A vida lá resultou em uma série magnífica de montanhas, desoladas e ardentes sob  sóis imóveis.

Em 1948, Ernst escreveu o tratado Além da Pintura. Como resultado da publicidade, ele começou a obter sucesso financeiro.

Em 1953, ele e sua esposa migraram de volta para a Europa e uma pequena casa no sul da França, onde fez litografias e gravuras. Ele continuou trabalhando muito depois que os movimentos Dada e Surrealista foram história. Ele era o mestre do acidente invocado e do acaso controlado e, mesmo com mais de oitenta anos, ainda inventava. Ernst nunca foi um líder em nenhum sentido sério e ideológico. Apesar de sua engenhosidade técnica, ele nunca se estabeleceu e explorou totalmente nenhum de seus meios; atingir qualquer um desses objetivos respeitáveis o teria amarrado

Ernst morreu aos 84 anos, em 1º de abril de 1976 em Paris. Ele foi enterrado no Père Lachaise, um dos cemitérios mais famosos do mundo.

Max Ernst e sua obra…

Ernst começou a pintar em um estilo expressionista, mas posteriormente desenvolveu uma abordagem mais surrealista, explorando o mundo dos sonhos e do inconsciente. Ele foi um dos pioneiros da técnica de colagem na arte, em que diferentes materiais e imagens são combinados para criar uma nova composição. Ele também trabalhou com técnicas como a frottage, em que uma folha de papel é esfregada sobre uma superfície texturizada, produzindo padrões e formas aleatórias que podem ser incorporados.

Ernst foi um artista altamente influente em seu tempo e continua sendo uma figura importante na história da arte moderna.

“A pintura não é para mim uma diversão decorativa ou a invenção plástica da realidade sentida; deve ser sempre: invenção, descoberta, revelação.” – Max Ernest

GALERIA DE ALGUMAS OBRAS

Crucificação. Max Ernst. 1913
O Rouxinol Chinês. Max Ernst. 1920 – Impressões fotomecânicas e tinta sobre papel – Localização: MOMA
O Elefante Celebes. Max Ernst. 1921
Loplop apresenta Loplop. Max Ernst. 1930 – Colagem, óleo, madeira (100 x 180 cm)
O Olho do Silêncio. Max Ernst. 1943
O Triunfo do Surrealismo. Max Ernst. 1937
O Jardim da França. Max Ernst. 1962
Configuração número 6. Max Ernst. 1974

Por Roseli Paulino – @arteeartistas

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

CARO LEITOR:  Aproveite o espaço abaixo e nos conte o que achou desse post, o seu comentário é muito importante para nós. Agradecemos sua visita.

“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”