Seja bem vindo ao Arte e Artistas! Estamos em: 20/07/2024

Biografia de Johannes Vermeer

Johannes Vermeer,  importante artista pertencente ao barroco holandês,  criou pinturas que estão entre as imagens mais amadas e reverenciadas na história da arte. Essas obras são notáveis ​​por sua pureza de luz e forma, qualidades que transmitem um senso de dignidade sereno e atemporal. O artista também está representado como Jan Vermeer.

BIOGRAFIA

Johannes Vermeer nasceu na cidade mercantil holandesa de Delft no dia 31 de outubro de 1632 em uma família de classe média baixa. Seu pai, Reijnier Jansz, era um tecelão que produzia um fino tecido de cetim chamado caffa e também atuava como negociante de arte.  Sua mãe, Digna Baltus, era uma simples dona de casa.

Na década de 1640, o adolescente Vermeer foi inscrito como aprendiz de pintor que seu pai que se dispôs a pagar altas taxas para garantir um futuro promissor a seu filho. Devido à falta de evidências comprovadas, é impossível nomear a quem Vermeer tenha sido aprendiz, mas vários historiadores sugerem que o jovem artista tenha sido aluno da estrela de Rembrandt ,  do pintor Carel Fabritius que forneceu seu primeiro treinamento. Outros defendem que seu professor foi o pintor Pieter van Groenwegen, nascido também em Delft.

Com sua família próspera o suficiente para comprar uma grande casa contendo uma pousada na praça do mercado, Vermeer seguia decidido sua carreira de pintor. Com a morte de seu pai em outubro de 1652, o pintor herdou a pousada e o comércio de arte.

Em 1653, Vermeer se casou com Catherina Bolnes, filha de uma próspera família católica de Delft. Apesar de ambos os pares de pais resistirem ao casamento devido a crenças cristãs opostas, sendo a família de Vermeer protestante, a cerimonia foi realizada após a conversão de Vermeer ao catolicismo. Talvez em esforços para provar sua nova devoção, Vermeer realizou sua primeira pintura, intitulada Cristo na Casa de Marta e Maria, sua única representação conhecida de uma narrativa bíblica.

No mesmo ano de seu casamento, Vermeer seguiu os passos de seu pai e se inscreveu como pintor mestre na Guilda de São Lucas, o que lhe permitiu uma riqueza de oportunidades, patrocinadores e conexões para avançar em sua carreira. Seus primeiros trabalhos mostram a influência de mestres como Rembrandt e Caravaggio

Em 1662, Vermeer tornou-se o chefe da Guilda de São Lucas, o que significava que ele teria estado em contato próximo com vários patronos, artistas e colecionadores de Delft. A nova posição o estabeleceu como um pintor respeitado por seus próprios méritos, embora as poucas pinturas existentes tenham levado muitos estudiosos a calcular que o artista produzia apenas três ou mais obras por ano.

Em 1663, ocorreu um fato curioso que poderia ter sido trágico, quando em um dia enquanto Vermeer estava fora de casa, o irmão ausente e agressivo de sua esposa, Willem, voltou e atacou fisicamente a irmã Catherina que estava grávida, ameaçando esfaqueá-la. Eles foram salvos, mãe e filho ainda no ventre desse ataque, quando a serva dos Vermeer se colocou entre os irmãos. De acordo com os autos, Willem foi levado e encarcerado até o fim de sua vida. Curiosamente, o episódio violento e traumático não influenciou na arte de Vermeer.

O artista também era conhecido por ter usado pigmentos caros como lápis-lazúli para a saia de A Leiteira e carmim profundo para o vestido de A Garota com um Copo de Vinho . Embora alguns tenham sugerido que o patrono de longa data de Vermeer, Pieter van Ruijven, teria comprado e fornecido ao artista esses ingredientes exclusivos, talvez não seja surpreendente que tenha sido nessa época que o pintor começou sua própria queda no endividamento.

O ano de 1672 é conhecido na história holandesa, como “O Ano do Desastre”, devido à invasão da República Holandesa pelos exércitos francês, alemão e britânico. Isso levou a uma crise econômica dramática para o país antes próspero de classe média. O mercado de arte despencou e Vermeer mal podia se dar ao luxo de manter a si mesmo, sua esposa, sua mãe e seus onze filhos. Ele assumiu dívidas cada vez maiores, pegando emprestado milhares de florins, e até foi pego embolsando o dinheiro da sogra.

Vermeer morreu em 16 de dezembro de 1675, tendo um ataque de loucura e depressão. Nos autos do tribunal, sua esposa afirmou que, “… durante a guerra ruinosa com a França, ele não só foi incapaz de vender qualquer de suas obras, mas também, em seu grande prejuízo, foi deixado sentado com as pinturas de outros mestres que ele estava lidando com isso. Como resultado e devido ao grande fardo de seus filhos não terem recursos próprios, ele caiu em  decadência, que ele levou tão a sério que, como se tivesse entrado em um frenesi em um dia e meio ele deixou de ser saudável para estar morto. “

Hoje, o nome Vermeer evoca instantaneamente uma imagem de sua obra prima Moça com o Brinco de Pérola , conhecida como a “Mona Lisa do Norte”, a pintura tornou-se um ícone universal no cânone da Idade de Ouro Holandesa.

A carreira de Vermeer foi dedicada a explorar momentos ternos da vida cotidiana, documentando os espaços interiores privados da mente e do ambiente que sintetizavam a era do Barroco. No entanto, seu domínio de pigmentos e luz elevou o artista além do reino de seus contemporâneos, proporcionando um vislumbre inimitável do estilo de vida de sua próspera era histórica.

LEGADO

Vermeer que tinha reconhecimento muito localizado durante sua vida,  parecia ter desaparecido do mundo da arte até o século XIX, quando artistas franceses como Édouard Manet começaram a voltar seus olhos para o real e despretensioso artista que até então estava desapercebido, passou a ser uma grande influência sobre esses artistas, que reviveram a consciência e grandiosidade do trabalho do mestre. Apesar de ter tido uma produção pequena de obras reconhecidas e que tenham sobrevivido, Vermeer é considerado hoje um dos maiores artistas da era barroca.

Fascinado com seu  trabalho, no século XX, o surrealista Salvador Dali recriou algumas de suas obras para homenagear o mestre barroco, como podemos observar em A Rendeiradepois de Vermeer’.

A Rendeira (depois de Vermeer). Salvador Dali. 1955 - Johannes Vermeer
A Rendeira (depois de Vermeer). Salvador Dali. 1955

GALERIA – OBRAS CITADAS

Embora apenas cerca de 36 de suas pinturas tenham sobrevivido, essas obras raras estão entre os maiores tesouros dos melhores museus do mundo. Vermeer começou sua carreira no início da década de 1650 pintando cenas bíblicas e mitológicas em grande escala, mas a maioria de suas pinturas posteriores – aquelas pelas quais ele é mais famoso – retratam cenas da vida diária em ambientes internos.

Johannes Vermeer - Cristo na casa de Marta e Maria
Cristo na casa de Marta e Maria. Johannes Vermeer. 1654-55

A Alcoviteira – Nessa composição temos um possível autorretrato do artista que está identificado pelo homem a esquerda que está segurando um copo com uma mão e com a outra, a direita, um instrumento musical de cordas, possivelmente uma cítara. Ao contrário de Rembrandt que pintou inúmeros autorretratos, não foi catalogado outro de Vermeer que não fosse esse que está incluído nessa pintura.

Johannes Vermeer - A Alcoviteira
A Alcoviteira – Johannes Vermeer. 1656

Oficial e a Garota sorrindo –  Há indícios de que foi a esposa de Vermeer que posou para esta e muitas de suas outras pinturas. Certamente a delicadeza e o cuidado com que pintou seu rosto, reforçariam essa ideia. Alguns historiadores acreditam que esta é uma das primeiras pinturas que ele produziu com a ajuda de uma câmera obscura. Embora não há nada como provar que ele tenha usado esse recurso, pois não foi registrado no inventário doméstico no momento de sua morte. Após a invenção da fotografia,  isso não é percebido, porém para os artistas do século XVII, teria sido mais impressionante e podemos ver que embora outros pintores colocassem figuras e objetos em primeiro plano e perto do observador, eles geralmente estavam em proporção ao espaço que habitavam .

Johannes Vermeer - Oficial e Garota Sorrindo
Oficial e Garota Sorrindo . Johannes Vermeer. 1658-1660
Johannes Vermeer - Vista das casas em Delft
Vista das casas em Delft. Johannes Vermeer. 1658 – Localização: Rijksmuseum, Amsterdã
Johannes Vermeer - O Copo de Vinho
O Copo de Vinho. Johannes Vermeer. c 1658-1660 – Óleo sobre tela (66,3 x 76,5 cm) – Localização: Gemäldegalerie, Berlim (Alemanha)
Johannes Vermeer - Lição de Música.
Lição de Música. Johannes Vermeer. 1660 – Localização: Palácio de Buckingham, Londres (Inglaterra)

A Leiteira – Para saber mais sobre a pintura, clique aqui

Johannes Vermeer - A Leiteira
A Leiteira. Johannes Vermeer. 1658-1660

Vista de Delft – Vermeer retratou nessa obra, um vislumbre sereno da vida urbana durante a Idade de Ouro Holandesa, um período em que o mundo econômico, tecnológico e artístico da Holanda estava em seu auge.

Johannes Vermeer - Vista de Delft
Vista de Delft. Johannes Vermeer. 1660 1661
Johannes Vermeer - Mulher com um Jarro de Água
Mulher com um Jarro de Água. Johannes Vermeer. 1662 – Óleo sobre tela (45,7×40,6 cm) – Localização: Metropolitan Museu de Arte de Nova York

Mulher de azul lendo uma carta – Essa é uma das representações mais enigmáticas e poderosas de Vermeer de um novo tema na pintura de gênero holandês (assuntos da vida cotidiana): mulheres abastadas em ambientes domésticos, muitas vezes tão preocupadas que não percebem o espectador olhar.

Johannes Vermeer - Mulher de azul lendo uma carta.
Mulher de azul lendo uma carta. Johannes Vermeer. c 1662.63

Moça com Brinco de Pérola – Para saber mais sobre a pintura, clique aqui

Johannes Vermeer - Moça com Brinco de Pérola.
Moça com Brinco de Pérola. Johannes Vermeer. 1665
Garota com o Chapéu Vermelho. Johannes Vermeer. – c. 1665 Localização: Galeria Nacional de Arte de Washington, Estados Unidos

A Rendeira – Para saber mais sobre a pintura, clique aqui

A Rendeira. Johannes Vermeer. 1665-1668

A Arte da Pintura – Clique aqui e saiba mais sobre essa obra prima …

A Arte da Pintura. Johannes Vermeer. 1666

O Astrónomo – O ambiente criado por Vermeer,  é embalado por uma luz suave lateral, a mão no globo celeste do cientista, é cercado por objetos habilmente ordenados e descritos com realismo. O astrónomo tende a uma estilização próxima da alegoria, e para isso contribui a fina combinação dos elementos que o rodeiam.

O Astrónomo. Johannes Vermeer. 1668 – Localização: Museu do Louvre, Paris

Alegoria da Fé Católica – Vermeer representa nessa pintura Maria Madalena que é mostrada erguendo os olhos da Bíblia para contemplar o crucifixo, paralisada pelo amor divino.

Alegoria da Fé Católica. Johannes Vermeer, c. 1670–72 – Localização: Metropolitan Museu de Arte, Nova York (USA)

Dama de pé tocando Virginal  – O virginal, instrumento musical pertencente à família do cravo,  traz um significado muito importante nessa composição, pois era muito usado por moças de famílias abastadas que tocavam em ambiente familiar. As pinturas em que o artista incluía mulheres cercadas de elementos do universo musical,
apareciam em sua maioria sentadas ao virginal, com um aspecto delicado, como se estivessem posando para o pintor. Essa por apresentar a dama em pé, está coberta de significados que oferece ao expectador o prazer de decifra-los.

Dama em pé tocando Virginal. Johannes Vermeer . 1670-1673 – Óleo sobre Tela (51,7 × 45,2 cm) – Localização: Galeria Nacional, Londres
“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”

Novidades pelo email

Assine nossa newsletter e receba todas novidades por email

Ir ao Topo