Seja bem vindo ao Arte e Artistas! Estamos em: 17/06/2024

Biografia de Pieter Bruegel, o Velho

Pieter Bruegel,  foi um importante pintor e gravador Flamengo da alta Renascença cujas pinturas apresentam um grande contraste com a arte religiosa que dominou grande parte da produção renascentista do século anterior. Suas obras apresentam temas como a vida profissional rural, religião, superstição e as intrigas políticas e sociais de sua época. Esses temas foram abordados com um humor inconfundível, divertido e muitas vezes grotesco, um interesse pelo coletivo em vez do individual e um ceticismo saudável por narrativas dos grandes feitos. 

Biografia

Retrato de Pieter Bruegel, o velho por Theodor Galle, gravador belga (1571-1633)

Existem poucas informações sobre sua infância. Tudo o que se sabe ao certo é que ele nasceu Peeter Brueghel, no que muitos acreditam ter sido filho de uma família de camponeses; nasceu em ou perto de Breda, na Holanda, entre 1525 e 1530.

Sua formação artística inicial, consistiu em um estágio com o artista flamengo Pieter Coecke van Aelst. com o falecimento de Van Aelst em 1550, Bruegel mudou-se para Antuérpia, onde recebeu sua primeira encomenda, para ajudar na criação de um retábulo tríptico para a guilda de fabricantes de luvas. O sistema de guilda foi importante para promover carreiras artísticas, e a própria vida profissional de Bruegel começou efetivamente em 1551, quando ele foi eleito para a Guilda de São Lucas, uma associação de pintores.

Em 1552, Bruegel deixou a Antuérpia para uma longa viagem pela Itália, com o objetivo de realizar uma pesquisa para aprimorar seus conhecimentos em pintura. Apesar de não ter sido fortemente influenciado pelo estilo ítalo-renascentista, o campo que visitou teve grande impacto no jovem artista, que se tornaria conhecido pelos seus trabalhos paisagísticos. De particular importância foram os Alpes suíços, pelos quais Bruegel se aventurou em sua jornada durante sua volta Seu primeiro biógrafo, Karel van Mander, observou que o artista “engoliu todas as montanhas e pedras e cuspiu-as novamente como painéis para pintar, tão perto ele tentou se aproximar da natureza neste e em outros aspectos”.

Ao retornar à Antuérpia em 1555, Bruegel começou a trabalhar como gravador para o artista holandês Hieronymus Cock. As gravuras que Bruegel produziu para seu empregador muitas vezes envolviam temas e motivos humorísticos, o que o levou a ser conhecido como “Pieter, o engraçado”. Tentando resumir a personalidade envolvente do artista, Van Mander descreveu Bruegel como “um homem muito quieto e prudente. Ele era um homem de poucas palavras, mas era muito divertido na sociedade e adorava fazer as pessoas pularem com os gracejos inesperados e ruídos que ele pensou”.

Os cenários complexos e fantásticos descritos em muitas de suas gravuras e nas poucas pinturas que ele criou durante o período intermediário de sua carreira, levaram a comparações com o famoso pintor holandês Hieronymus Bosch. (1450-1516).

Por volta de 1557 em diante foi que o artista passou a ser mais conhecido por suas pinturas. Neste ponto que ele desenvolveu seu estilo de composição inconfundível, permitindo-lhe se livrar das comparações com os Mestres do Norte mais antigos, como Bosch, e garantir seu status como um artista significativo e requisitado. Numerosas encomendas foram feitas, principalmente de ricos comerciantes e membros da igreja.

Em 1559, o artista mudou sua assinatura de Peeter Brueghel para Pieter Bruegel.

Em 1563, Pieter casou-se com Mayken Coecke, filha de seu ex-professor Pieter Coecke van Aelst. Havia uma diferença significativa de idade entre os dois, o artista na casa dos trinta e sua noiva – que ele conhecia desde que ela era criança – apenas com dezoito anos. Alguma polêmica cercou a mudança do casal para Bruxelas no ano de seu casamento, com especulações de que poderia ter sido a pedido da mãe de Mayken, em uma tentativa de impedir o relacionamento de flerte de Bruegel com uma empregada doméstica. A extensão da relação entre o artista e a criada permanece um mistério.

Autorretrato (detalhe). Gravura. 1564

O casamento marcou o início de uma dinastia artística que incorporou os dois filhos que se tornaram também artistas .O primeiro recebeu o nome do pai,  nasceu em 1564 e mais tarde ficou conhecido como Pieter Brueghel, o Jovem. Em 1568 nasceu  Jan Brueghel. O jovem Pieter criou muitas pinturas, ajudando a garantir sua reputação internacional muito depois da morte de seu pai, mas também resultando em dúvidas sobre se determinadas composições eram obra do pai ou do filho pela semelhança do estilo e temas utilizados. Para evitar qualquer duvida, o pai  ficou conhecido como Pieter Brueghel, o velho.

O artista faleceu na Bélgica, no dia 9 de setembro de 1569. Pouco se sabe sobre as circunstâncias de sua morte, embora o que sabemos é que no último ano de sua vida, não existem pinturas produzidas neste período, o que implica que Bruegel poderia estar muito doente.

Legado

Durante sua vida, Pieter bruegel, o velho foi visto como tendo feito uma ruptura significativa com o estilo popular do Renascimento italiano, criando obras que se concentraram na paisagem e na vida contemporânea, em vez das grandes narrativas favorecidas pelos mestres mediterrâneos do século passado. Ao fazer isso, ele ajudou a garantir que a arte renascentista no norte da Europa se desenvolvesse em sua própria direção única, contribuindo para um estilo do norte da Europa que inspirou artistas subsequentes, como Peter Paul Rubens e Rembrandt. 

As pinturas de Bruegel influenciaram uma série de desenvolvimentos na arte moderna incluindo a obra de Gustave Coubet e Jean-Francois Millet.  Durante o século XX, poetas como o norte americano William Carlos Williams foram igualmente inspirados pela visão igualitária de Bruegel. Este dedicou um ciclo de dez poemas ao artista em sua última edição de 1962 “Pinturas de Brueghel e outros poemas“.

Galeria – Arte Comentada

Paisagem com Cristo Aparecendo aos Apóstolos no Mar de Tiberíades – Essa é uma de suas primeiras pinturas resultado de sua experiência durante sua viagem para a Itália foi orientado  por Maarten de Vos, um pintor de Antuérpia que então trabalhava na Itália nesse período.

Paisagem com Cristo Aparecendo aos Apóstolos no Mar de Tiberíades. Pieter Bruegel, o velho. 1553 – Óleo sobre painel (67 x 100 cm)

Paisagem com a Queda de Ícaro – Essa obra narra a história de Ícaro em torno de sua morte, de um menino que queria tanto voar, para isso construiu asas de cera e penas. Deixando de dar ouvidos ao aviso de seu pai para não voar muito perto do sol, suas asas derreteram e ele mergulhou no mar. Poderíamos esperar que esse desfecho trágico fosse formar o ponto focal da pintura de Bruegel, porém se tornou  uma representação abrangente da vida rural comum, a morte do herói foi transformada de forma cômica pelo artista. A composição é irreverente, expressando um claro ceticismo pela pintura mitológica bombástica que dominou o século anterior de arte renascentista.

Paisagem com a Queda de Ícaro. Pieter Bruegel o velho. 1558 – Óleo sobre tela ( 73.5 x 112 cm) – Localização: Museu Real de Belas Artes da Bélgica, Bruxelas

A Batalha entre Carnaval e Quaresma é considerada uma das obras mais importantes de sua carreira e uma das mais polêmicas da renascença. Clique aqui e saiba mais

A Batalha entre Carnaval e Quaresma. Pieter Bruegel o velho. 1559 – Óleo sobre painel ( 118 x 164.5 cm) – Localização: Museu Kunsthistorisches, Viena (Áustria)

Os Provérbios Holandeses – Bruegel é conhecido por suas composições ocupadas, envolvendo muitos grupos de figuras engajadas em pequenas interações. Essas composições individuais, por sua vez, estabelecem um tema geral, muitas vezes satírico ou didático, uma abordagem composicional que teve um impacto profundo na história da arte.

Nessa pintura, as ações realizadas pelos moradores representam aproximadamente 120 provérbios holandeses diferentes, todos relacionados às esquisitices do comportamento humano. Temos por exemplo em primeiro plano à esquerda, um homem batendo a cabeça contra uma parede de tijolos, representando a tendência de um tolo de continuar tentando o impossível; à direita, uma figura se inclina perturbada sobre uma panela de mingau derramado, lembrando ao observador que as ações concluídas não podem ser desfeitas. Ao retratar as fraquezas da vida humana cotidiana, o artista expandiu a gama de temas disponíveis para o pintor renascentista com sagacidade característica e irreverente.

Os Provérbios Holandeses. Pieter Bruegel, o velho. 1559 – Óleo sobre painel (117 x 163 cm) – Localização: Gemäldegalerie, Berlim (Alemanha)

Jogos Infantis – Temos nessa pintura mais de duzentas crianças brincando em muitos jogos que remetem à nossa infância.

– Jogos Infantis. Pieter Bruegel, o Velho. 1560 – Localização: Museu Kunsthistorisches, Viena (Áustria)

A Torre de Babel  – clique aqui e saiba mais sobre a obra prima de Bruegel

A Torre de Babel. Pieter Bruegel, o Velho. 1563 – Óleo sobre painel (114 x 155 cm) – Localização: Museu Kunsthistorisches, Viena (Áustria)

Os Caçadores na Neve – Essa é uma das obras mais amadas de Bruegel e também uma das pinturas mais conhecidas do inverno da arte ocidental. Nunca antes um pintor conseguiu criar uma imagem convincente da frieza, do silêncio típico da paisagem de inverno.  A abordagem empregada por Bruegel vai muito além das técnicas de pintura de paisagem características de sua época, oferecendo composições complexas que contam com harmonias de cores para transmitir o clima da cena e da estação. Observamos que a composição é dominada por duas cores frias, o branco da neve e o verde claro do céu e do gelo. Todos os seres vivos são escuros, isso está em contradição com as associações de cores habituais e aumentam as impressões de miséria e privação.  No entanto, o número de pessoas na pintura, sugere vivacidade e coletividade em meio à paisagem congelada, indicando uma comunidade não dominada em suas proximidades.

Os Caçadores na Neve. Pieter Bruegel, o velho. 1565 – Óleo sobre painel (117 x 162 cm) – Localização: Museu Kunsthistorisches, Viena (Áustria)

Paisagem de Inverno com patinadores – Pintura que retrata uma Aldeia no Brabante, província na Holanda, cujo habitantes se divertem brincando no gelo que passam desapercebidos próximos de uma armadilha para pássaros, detalhes sempre comuns em sua obra.

Paisagem de Inverno com patinadores. Pieter Bruegel, O Velho. 1565

A Dança do Casamento – Bruegel apresenta nessa pintura, os camponeses em cenas de lazer e celebração. O pensamento predominante entre os artistas da Renascença era que apenas a religião, a mitologia e a vida dos grandes homens eram temas adequados para a pintura. A cena de casamento camponês que afirma a vida de Bruegel está repleta de foliões felizes comemorando o evento.

A Dança do Casamento. Pieter Bruegel o velho. 1566 – Óleo sobre painel (119.4 x 157.5 cm) – Localização: Instituto de Artes de Detroit (EUA)

A Parábola dos Cegos – Essa é uma das últimas pintura de Bruegel que foi baseada no Evangelho  (Matheus 15:14): “Deixem-nos, são cegos conduzindo outros cegos, mas se um cego conduz outro cego, ambos cairão num abismo”.  Bruegel quis apresentar através dessa obra, a cegueira espiritual em relação à religião: seis cegos caminham em desespero, como atesta a expressão de seus rostos. A queda do primeiro cego que está guiando, demonstra que ele é a primeira vítima dessa cegueira espiritual.

Em 1567, o conselho ordenou prisões e execuções em massa para reforçar o domínio espanhol e suprimir o protestantismo. Tal ocorrência explica o tom amargo e triste representado nessa pintura provavelmente relacionada com o estabelecimento do Conselho de Perturbações que ocorreu nesse período, provavelmente relacionada com o estabelecimento do Conselho de Perturbações pelo governo dos Países Baixos espanhóis. A presença de uma Igreja em último plano remete a interpretações pró e anticatólicas.

A Parábola dos Cegos. Pieter Bruegel, o Velho. 1568 – Localização: Museu Nacional de Capodimonte, Nápoles, Itália
“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”

Novidades pelo email

Assine nossa newsletter e receba todas novidades por email

Ir ao Topo