Seja bem vindo ao Arte e Artistas! Estamos em: 21/06/2024

Francis Picabia

Francis Picabia foi um proeminente artista de vanguarda francês, pintor e poeta, figura chave em vários movimentos artísticos do Século XX, como o cubismo, o dadaísmo e o surrealismo. Ele alternou facilmente entre abstração e figuração numa época em que os artistas se apegavam firmemente a uma abordagem, e seu alegre desrespeito pelas convenções da arte moderna encorajou algumas inovações notáveis ​​ainda mais tarde em sua carreira.

BIOGRAFIA RESUMIDA

Francis Picabia nasceu em 22 de janeiro de 1879 na cidade de Paris, França. Veio de uma família rica e recebeu desde cedo uma educação artística de qualidade. O seu talento artístico manifestou-se desde muito jovem. Seu tio era um amante e colecionador de arte, que facilitou os interesses do jovem Picabia cercando-o de obras de pintores clássicos franceses. Seu avô, um fotógrafo amador dedicado, ensinou fotografia ao neto, e assim, mais tarde ele usaria uma câmera para auxiliar seu trabalho.

Em 1894, aos 15 anos, começou a estudar na Escola de Artes Decorativas de Paris. Seu estilo artístico evoluiu ao longo de sua carreira, e ele experimentou diversas formas e movimentos.

Na primeira década do século XX, Picabia aderiu ao movimento cubista e desenvolveu amizades com figuras importantes como Pablo Picasso e Georges Braque. No entanto, ele não se limitou a um único estilo e, em vez disso, adotou uma abordagem eclética da arte. Participou ativamente na vida artística de Paris e colaborou em diversas revistas de vanguarda.

Durante a Primeira Guerra Mundial,  juntou-se ao movimento dadaísta, um grupo de artistas que desafiava as convenções e defendia a antiarte. Contribuiu ativamente para publicações dadaístas, como a revista “291” e “Dada”, e produziu obras que desafiavam as normas estabelecidas.

Picabia deixou a França para buscar refúgio primeiro em Barcelona, ​​depois em Nova York e mais tarde no Caribe. A guerra o levou a encontrar outro estilo que representasse a era da industrialização.

Na década de 1920, Picabia afastou-se do dadaísmo e começou a explorar o surrealismo. Seu estilo tornou-se mais figurativo e seu trabalho foi caracterizado por representações muitas vezes irônicas da sociedade e da cultura contemporâneas.

Em 1928, Picabia apresentou suas pinturas Transparência na Galeria Theophile Briant. A série recebeu elogios calorosos de seus pares, especialmente de Marcel Duchamp. Seu então negociante de arte, Leonce Rosenberg, descreveu-o como “a associação do visível e do invisível… É esta noção de tempo somada à de espaço que constitui precisamente a doutrina de sua arte. Além da instantaneidade em direção ao infinito, esse é o seu ideal.”

Enquanto morava em Cannes, ele era uma celebridade entre os moradores locais, recebendo visitas frequentes de seus amigos famosos. Neste período, ele também desfrutou de sua riqueza nessa época, tendo prazer em dar festas luxuosas, jogar e colecionar carros e iates luxuosos.

Em 1939, quando a Segunda Guerra Mundial começou, a devastação o atingiu e seu estilo de vida tornou-se bastante modesto. Pela primeira vez na vida, sua principal fonte de renda vinha da venda de suas pinturas.

Em 1940, Picabia e Olga Mohler se casaram. Como acontecia sempre que um acontecimento importante ocorria em sua vida, seu estilo de pintura se transformava mais uma vez. Muitos dizem que suas pinturas desse período tinham valor puramente comercial. Ele pintou imagens populares de revistas “femininas” de estrelas de cinema e romantizou casais em um estilo realista.

Autorretrato. 1946

Após a guerra, ele foi preso pelas autoridades francesas por alegações de que era amigo do governo nazista francês durante a guerra. Logo foi libertado e nunca foi condenado, mas sua reputação foi prejudicada. Houve várias declarações feitas por ele durante a guerra que poderiam ser consideradas fascistas, mas como ele sempre foi uma personalidade brincalhona, é difícil determinar adequadamente sua posição naquele momento.

No final de sua longa carreira, Picabia mais uma vez mudou seu estilo, pintando em formas abstratas. Ele continuou a expor seu trabalho em importantes galerias parisienses e publicou seus escritos até 1951, quando sofreu de arteriosclerose e não pôde mais pintar. Antes de sua morte em 1953, ele fez referência à escrita de  Friedrich Nietzsche “Onde termina a arte, onde começa a vida, eu sou o poeta da minha vida”.

Ao longo da sua vida, Francis Picabia continuou a evoluir artisticamente e a desafiar as expectativas do mundo da arte. Ele aprendeu desde cedo que a abstração poderia ser usada para evocar não apenas qualidades de máquinas, mas também para evocar mistério e erotismo. Isso garantiu que a pintura abstrata seria um dos pilares de sua carreira. Ele voltou a isso ainda nos últimos anos, durante os quais atribuiu sua inspiração aos recônditos obscuros de sua mente, como sempre fizera.

Faleceu em 30 de novembro de 1953 em Paris. O seu legado perdura como exemplo de diversidade e experimentação na criação artística, Picabia continua a ser reverenciado pelos pintores contemporâneos como um dos artistas mais intrigantes e inescrutáveis ​​do século XX.

GALERIA

Telhados de Paris. Francis Picabia. 1900
Danças na Primavera. Francis Picabia. 1912
Autorretrato. Francis Picabia. 1923
Mordomo Seguro. Francis Picabia. 1929
Nu de costas. Francis Picabia. 1942
Mesa Viva. Francis Picabia. 1951

LEITURA DE OBRA DE ARTE

Adão e Eva. Francis Picabia. 1931

Esta pintura enigmática faz parte da série Transparência de Picabia , cuja qualidade onírica deriva de camadas de imagens que sugerem vagamente narrativas estranhas. Embora o título desta pintura seja Adão e Eva, ela foi inspirada em Orestes e Electra , uma escultura grega clássica do Museu de Nápoles, que retrata Electra e seu irmão considerando vingança contra sua mãe e padrasto pelo assassinato de seu pai, Agamenon. . Temas clássicos como este eram populares no período entre guerras, mas a maioria dos artistas tentou dar nova vida ao Classicismo, adaptando-o aos tempos modernos. Picabia recusa esta tentação, deixando a estátua enigmaticamente coberta por um rosto sorridente e deixando-nos com um mistério. Este choque de imagens de fontes aparentemente diferentes seria uma grande inspiração para artistas posteriores

“Acredito que a Arte está em tudo no que nos rodeia, basta um olhar sensível para apreciar e usufruir das diferentes manifestações artísticas. A Arte é a grande e bela ilustração da vida.”

Novidades pelo email

Assine nossa newsletter e receba todas novidades por email

Ir ao Topo